"Big Brother" nas escolas indianas gera polémica

O governo de Deli anunciou que irá instalar câmaras de videovigilância em todas as escolas deste território indiano. A medida já gerou controvérsia entre pais e professores

O plano para instalar o sistema de videovigilância nas escolas, incluindo nas salas de aula, no território de Deli já tinha sido apresentado em 2015 pelo governo regional, mas só ganhou relevância após os recentes crimes violentos cometidos em recintos escolares.

Em causa está uma sucessão de mortes de crianças. Em setembro de 2017, um menino de sete anos foi encontrado com a garganta cortada na casa de banho da própria escola. Poucos dias depois, uma menina de cinco anos foi alegadamente violada por um dos funcionários numa escola privada.

Com esta medida, o governo de Deli pretende tornar as escolas mais seguras para as crianças e, ao mesmo tempo, tranquilizar os pais, que vão poder acompanhar os filhos a toda a hora, através de uma aplicação para o telemóvel. O líder do governo, Arvind Kejriwal, afirmou na sua conta de Twitter que a instalação das câmaras vai "tornar o sistema mais transparente e responsabilizador. E vai garantir a seguranças das crianças".

A ideia não foi recebida por todos da mesma forma. Foram levantadas questões sobre a desconfiança dos pais em relação às escolas, sobre o desfavorecimento das crianças, que por estarem a ser vigiadas permanentemente poderão não se desenvolver naturalmente. Há também quem fale na violação do direito à privacidade.

As câmaras vão ser instaladas nas quase mil escolas de Deli nos próximos três meses. A aplicação que ainda está a ser desenvolvida vai permitir que os pais alertem as autoridades caso reparem em algo que não lhes pareça bem.

O The Indian Express argumenta no seu último editorial que esta decisão pode trazer "mais mal do que bem" porque a política baseada na vigilância vai contra a confiança que os pais colocam na instituição. "Ao criminalizar estudantes e professores, o governo está a desencorajar um diálogo sobre os mesmos problemas que está a tentar resolver".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG