Enorme base de dados dos Papéis do Panamá publicada online

São mais de 200 mil documentos disponibilizados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação

Desde as 18.00 desta segunda-feira que a enorme base de dados de documentos pirateados apelidados de Papéis do Panamá (Panama Papers) passou a estar disponível online, no site do Consórcio Internacional dos Jornalistas de Investigação.

Os Papéis do Panamá, divulgados por uma fonte que se identificou apenas como John Doe ao jornal alemão Süddeutsche Zeitung, e analisados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação em parceria com meios de comunicação de todo o mundo, permitiram descortinar o mundo das transações e das empresas fachada nos paraísos fiscais, implicando líderes mundiais e personalidades conhecidas.

Os mais de 11,5 milhões de documentos divulgados por John Doe pertenciam à firma de advogados Mossack Fonseca, com base no Panamá e especializada na implementação destas empresas em paraísos fiscais, que defende não ter feito nada de ilegal.

A base de dados divulgada hoje publicamente pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação consiste em mais de 300 mil entradas que se referem a mais de 214 mil empresas offshore reveladas pelos Papéis do Panamá e que incluem também empresas offshore que foram desvendadas em 2013, na altura das chamadas Offshore Leaks, uma outra investigação do CIJI.

A base de dados pesquisável foi agora publicada no site do Consórcio, apesar de um apelo e de uma injunção da firma de advogados que pedia que esta não fosse divulgada publicamente. A base de dados, que permite pesquisar por país ou por jurisdição, vem com um aviso do Consórcio: relembra que nem todos os usos das empresas e fundos offshore são ilegais, e que existem muitas pessoas e empresas com nomes iguais ou parecidos.

Em comunicado, o CIJI destaca que os dados divulgados constituem "uma fração dos Papéis do Panamá". O Consórcio "não vai publicar a fuga de informação na sua totalidade, nem vai divulgar documentos não revistos nem informação pessoal em massa. A base de dados (...) não revela contas bancárias, trocas de email nem transações financeiras".

A base de dados abrange cerca de 40 anos, entre 1977 e o final de 2015, e refere-se às empresas offshore criadas através da firma de advogados Mossack Fonseca e associados. Mais de 200 países e territórios estão incluídos na base de dados.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG