Canadá e Reino Unido dizem ter provas. Avião foi abatido por míssil do Irão

Jornal New York Times publicou vídeo do suposto momento em que avião terá sido atingido. O primeiro-ministro canadiano disse que foram reunidas provas de que o Boeing foi abatido por um míssil do Irão. O mesmo afirmou Boris Johnson e ambos pedem uma investigação completa. Teerão nega.

O primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau diz que foram reunidas provas de que o avião que caiu em Teerão foi abatido por um míssil. O mesmo afirmou Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, que disse em comunicado haver informações seguras apontando que um míssil atingiu o avião. Alguns media norte-americanos citaraam fontes do Pentágono para avançar que também os EUA têm relatórios que apontam nesse sentido, o que Trump, sem confirmar, deixou perceber em declarações públicas.

No avião seguiam 63 canadianos e quatro britânicos entre as 176 pessoas a bordo. Não houve sobreviventes. Em conferência de imprensa, o primeiro-ministro do Canadá referiu que os serviços secretos canadianos, em ligação com serviços de outros países, podem avançar que o Boeing 737 foi abatido. Tudo indica, disse o governante, que terá sido um míssil terra-ar das defesas anti-aéreas iranianas e poderá ter sido acidental.

O Irão nega responsabilidades e diz não fazer sentido a tese. Segundo a CNN, ao fim do dia de quinta-feira, as autoridades da aviação iranianas convidaram o Conselho Nacional de Segurança de Transportes dos EUA a participar na investigação. Este conselho americano é habitualmente chamado a inquéritos deste tipo em todo o mundo por ter muita experiência na análise de 'caixas negras'. O Irão já admitiu que as caixas do Boeing estão danificadas o que dificulta e tornam mais complexas as investigações.

No Canadá, parece haver já segurança em avançar na tese do míssil. "Isto é uma análise preliminar e queremos agora uma credível e completa investigação ao que aconteceu exatamente", disse Justin Trudeau, garantindo que não avançaria com esta certeza se não tivesse reunido informação e provas que apontam para que tenha sido um míssil. Admitiu que pode ter sido de forma acidental mas diz que só uma investigação completa poderá expor toda a verdade. "Isto será um choque para os familiares", disse ainda, expressando sentidas condolências e apoio total aos familiares das vítimas. Dos 167 passageiros - havia mais nove tripulantes ucranianos - do voo 752 da Ukraine International Airlines, 138 iriam apenas fazer escala na Europa e seguir depois para o Canadá. O desastre aconteceu na noite em que o Irão atacou com mísseis bases iraquianas onde estão alojadas tropas norte-americanas, sem causar vítimas. O avião tinha descolado de Teerão em direção a Kiev.

"Agora é mais importante do que nunca saber exatamente como esta tragédia aconteceu. Os canadianos querem respostas. Isso significa transparência, responsabilidade e justiça", afirmou. "Este governo não descansará até conseguir isso", garantiu Justin Trudeau.

Quase em simultâneo, o jornal The New York Times publicou um vídeo do momento em que o avião terá sido atingido pelo míssil na madrugada de quarta-feira.

Trudeau falou depois de a hipótese do míssil ter sido avançada durante o dia de quinta-feira. "O avião ucraniano que caiu em Teerão foi atingido por um míssil do sistema de defesa antiaérea iraniano", avançou durante a tarde a revista norte-americana Newsweek, citando uma fonte militar do Pentágono, um oficial dos serviços secretos americanos e um elemento dos serviços secretos do Iraque. Também o governo britânico confirmava nessa altura estar na posse de informações "muito preocupantes" que iam no sentido de ter sido um míssil iraniano a provocar a queda do Boeing 737-800. O governo britânico estará na posse de relatórios que apontam no mesmo sentido. "As informações que temos são muito perturbadoras e estamos a analisá-las com urgência", disse ainda um porta-voz do gabinete do primeiro-ministro britânico.

O Irão reagiu logo e disse que a acusação "não faz sentido".

Boris Johnson diz que foi um míssil

Mas após as declarações de Trudeau, Boris Johnson também afirmou, em comunicado, que o Reino Unido está convencido que o avião foi derrubado por um míssil e assegura que os britânicos estão a trabalhar com o Canadá, exigindo um investigação completa. "Atualmente, existe um conjunto de informações de que o voo foi abatido por um míssil iraniano de terra-ar. Pode ter sido não intencional. Estamos a trabalhar em estreita colaboração com o Canadá e os nossos parceiros internacionais. Agora é preciso haver uma investigação completa e transparente", disse o primeiro-ministro Boris Johnson.

Parece assim começar a formar-se um consenso internacional de que a queda do Boeing 737 foi causada pelo Irão, eventualmente de forma acidental, por erro. Na quinta-feira à tarde, o embaixador iraniano nas Nações Unidas, Majid Takht Ravanchi, expressou condolências às famílias das vítimas e, falando ao Conselho de Segurança da ONU, disse: "Expressamos as nossas profundas condolências às famílias dos que perderam a vida no acidente de avião no Irão. Uma investigação completa está em andamento."

Tudo aconteceu na madrugada de quarta-feira. O voo 752 da Ukraine International Airlines, com o Boeing 737-800 em rota do Aeroporto Internacional de Teerão para Kiev, parou de transmitir dados alguns minutos após a descolagem e pouco depois do Irão lançar mísseis contra bases militares que alojam forças dos EUA no Iraque. Acredita-se que a aeronave tenha sido atingida por um míssil do sistema terra-ar Tor-M1 construído na Rússia, conhecido pela NATO como 'Gauntlet', disseram oficiais militares dos EUA.

A avaliação do oficial do Pentágono, disse a Newsweek, é de que o desastre foi acidental, com o míssil a atingir por erro o avião. O Comando Central militar dos EUA recusou comentar o assunto.

Trump já apontava suspeitas

Donald Trump comentou quinta-feira à tarde o incidente e afirmou que tinha "suspeitas" e acrescentou que "alguém pode ter um erro do outro lado". Disse o presidente americano: "Bem, eu tenho minhas suspeitas. Não quero dizer isso porque outras pessoas também têm essas suspeitas. É uma coisa trágica quando vejo isso. Mas alguém poderá ter cometido um erro do outro lado." Trump parecia já indicar que outros países estavam na posse de informações e deixou para eles - Canadá, Reino Unido ou Ucrânia - o anúncio das suspeitas de que o Boeing foi abatido.

O presidente norte-americano assegurou também que as sanções económicas já estão em vigor e que foram reforçadas. "Está feito. Reforçamo-las. Já eram severas, mas nós endurecemo-las significativamente", disse Trump, referindo-se às sanções anunciadas, que complementam uma longa série de rondas de sanções aplicadas desde 2018, após o abandono dos EUA do tratado nuclear com o Irão.

Irão diz que "não faz sentido"

Quando surgiram as primeiras notícias, as autoridades iranianas rejeitaram logo a tese de que o desastre do Boeing 737 da Ukraine International Airline, ocorrido na quarta-feira no Irão, esteja relacionado com um eventual ataque com mísseis, afirmando que essa teoria "não faz sentido".

"Vários voos domésticos e internacionais voam ao mesmo tempo no espaço aéreo iraniano à mesma altitude de 8.000 pés, e essa história de ataque com mísseis (...) não podia estar mais incorreta", indicou o Ministério dos Transportes iraniano, num comunicado.

"Esses rumores não fazem qualquer sentido", prosseguiu a nota informativa, que cita o presidente da Organização de Aviação Civil iraniana (CAO) e vice-ministro dos Transportes, Ali Abedzadeh.

Mais tarde, solicitaram a Justin Trudeau que indique quais são as informações e as provas que levam a afirmar que não foi um motivo técnico que fez cair o Boeing 737-800. Classificou de "relatos questionáveis" as palavras do governante canadiano e, de acordo com a agência France-Presse, Teerão convidou o Canadá a "partilhar" informação com a comissão de inquérito iraniana. O Ministério das Relações Exteriores do Irão convidou também a Boeing, fabricante da aeronave, a "participar" na investigação.

O Presidente iraniano prometeu à Ucrânia uma investigação objetiva das causas do desastre aéreo com o Boeing 737 da companhia Ukraine International Airline, informou a Presidência ucraniana. Hassan Rohani fez esta promessa durante uma conversa telefónica com o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

"Rohani assegurou que o Irão irá proporcionar aos peritos ucranianos acesso a todas as informações necessárias", acrescentou a nota oficial divulgada pela Presidência da Ucrânia, país que enviou para Teerão uma equipa de 45 investigadores para participar no inquérito em curso.

Volodymyr Zelenskiy sublinhou, por sua vez, que os peritos ucranianos já começaram a trabalhar para estabelecer "o mais rápido possível" as causas do desastre, que matou 176 pessoas, insistindo na realização de uma investigação "objetiva, completa e transparente".

Ucrânia pede provas

Perante as alegações de queda provocada por míssil, a Ucrânia pediu ao Ocidente que forneça "provas" que possam ajudar na investigação sobre o desastre aéreo.

"O nosso país tem todo o interesse de que a verdade seja estabelecida. É por isso que apelamos aos parceiros ocidentais da Ucrânia: se têm provas que irão ajudar na investigação, pedimos que as forneçam", disse a Presidência ucraniana, em comunicado.

Nas Nações Unidas, o​​​​​​ vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Sergiy Kyslytsya, pediu no Conselho de Segurança da ONU um "apoio incondicional" para os seus peritos que investigam o desastre. "Foram perdidas 176 vidas inocentes", referiu no decurso de uma reunião sobre o respeito pela Carta das Nações Unidas.

"As circunstâncias desta catástrofe ainda não são claras. Cabe agora aos peritos investigar e encontrar respostas à questão de saber o que provocou a queda [do avião]. Para isso, os nossos peritos devem receber um apoio incondicional para o seu inquérito", disse

Oleksiy Danilov, do conselho de segurança ucraniano, admite que a queda pode ter sido provocada por um míssil, embora tenha declarado à AFP que estão a ser exploradas várias teses.

A equipa de 45 peritos ucranianos já está em Teerão e espera poder participar no inquérito em curso, em particular "na descodificação das caixas negras" do avião, referiu o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, num momento em que as autoridades iranianas estão a recusar o acesso às caixas negras do avião do fabricante norte-americano Boeing.

Segundo Sergei Danylov, alguns dos peritos ucranianos que estão no Irão participaram na investigação do caso do voo MH17, da companhia aérea Malaysia Airlines, abatido em 17 de julho de 2014 por um míssil quando sobrevoava um território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG