1,2 toneladas de metanfetamina apreendidas e oito detidos

Produto valia cerca de 500 milhões de euros

A polícia da Austrália deteve oito suspeitos relacionados com a apreensão de 1,2 toneladas de metanfetamina, avaliadas em 760 milhões de dólares (500 milhões de euros), a maior quantidade apreendida no país, foi hoje anunciado.

A apreensão teve lugar depois de a polícia federal, em colaboração com corporações de segurança do estado da Austrália Ocidental, ter seguido uma pista sobre um barco chegado na madrugada de quinta-feira ao porto de Geraldton.

Os tripulantes do navio descarregaram a altas horas da noite dezenas de sacos, onde viria a ser encontrada a droga, e colocaram-nos numa furgoneta que foi intercetada durante a operação.

Três homens que seguiam a bordo da viatura e outros três que estavam na embarcação foram detidos durante a operação antidroga, enquanto s restantes dois suspeitos foram detidos num hotel da cidade de Perth.

O grupo arrisca uma pena máxima de prisão perpétua.

A droga, que seria procedente de um barco de maiores dimensões que zarpou da China e se encontra já longe da costa australiana, teria como destino o leste do país, onde se encontram as principais cidades daquela nação, segundo as autoridades.

De acordo com os dados da polícia, esta apreensão de metanfetamina supera o anterior registo recorde de 903 quilogramas de cocaína apreendidos no início do ano em Melbourne.

Os australianos figuram entre os maiores consumidores 'per capita' de droga no mundo e um quilo de cocaína pode custar até cem vezes mais do que o seu preço na América do Sul.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.