Atores Robert De Niro e James Franco acusados de assédio

Robert De Niro acusado de abuso verbal, comportamento inadequado e discriminação de género por ex-funcionária. James Franco acusado de ter aproveitado sexualmente de duas estudantes da sua escola de representação

Uma ex-funcionária acusou Robert De Niro de abuso verbal, comportamento inadequado e discriminação de género num processo judicial acionado pela empresa do ator por ter gasto centenas de milhares de dólares com um cartão de crédito da empresa.

A mulher, Graham Chase Robinson, diz que De Niro a submeteu a "contactos físicos indesejados", que repetidamente lhe fez comentários ofensivos e que foi forçada a assumir tarefas domésticas que não eram pedidas a funcionários do sexo masculino. Entre outras coisas, a ex-funcionária diz que o ator a fez coçar as costas, apertar as camisas ou lavar a roupa.

De acordo com o processo, que decorre num tribunal federal de Nova Iorque, Robinson disse ainda que a estrela de Hollywood lhe pagava menos do que aos seus colegas, apesar de ter maiores responsabilidades. Robinson pede para ser compensada com pelo menos 11 milhões de euros por salários e danos perdidos.

O processo surge depois de a empresa do ator, a Canal Productions, ter acusado a ex-funcionária de ter gasto dinheiro da empresa com despesas pessoais e de passar muito do seu tempo a assistir a séries de televisão. A empresa alegou que, por exemplo, Robinson usou o cartão de crédito para pagar cerca de 11 mil euros em restaurantes e 29 mil euros em viagens de táxi e uber.

A Canal Productions pede 5,5 milhões de euros de indemnização e descreveu a mulher como uma funcionária que usou a confiança que detinha para se aproveitar em beneficio pessoal.

Também James Franco é acusado de assédio, mas por parte de duas estudantes da escola de representação do ator, que o acusaram de ter aproveitado sexualmente delas. A ação foi interposta no tribunal de Los Angeles por Sarah Tither-Kaplan e Toni Gaal.

Tither-Kaplan foi uma das cinco mulheres que denunciaram o ator por suposta má conduta sexual, num artigo publicado em janeiro de 2018 pelo Los Angeles Times. As duas mulheres garantem que James Franco e os seus parceiros no Studio 4 "desenvolvem um comportamento inapropriado com os alunos".

Tither-Kaplan e Gaal inscreveram-se no Studio 4 em 2014, e garantem que as aulas incluíam lições sobre cenas de sexo que consistiam em "simulações de atos sexuais que iam muito além dos padrões da indústria". Sarah Tither-Kaplan, como já tinha declarado no artigo do Los Angeles Times, especificou no processo a alegada filmagem de uma orgia na qual Franco simulava praticar sexo oral. No processo é exigida uma compensação pelos danos e o retorno ou destruição de qualquer gravação feita no Studio 4.

A polémica em torno de Franco começou nos Globo de Ouro de 2018, onde este recebeu o prémio de melhor ator na comédia "O artista do desastre" (2017) e em cujo tapete vermelho desfilou com um alfinete do Time's Up (movimento contra o assédio sexual). Durante a cerimónia, várias atrizes acusaram o ator de ser hipócrita por usar um desses crachás, apontando-o como responsável por episódios de abuso sexual no passado. Alguns dias depois, Franco respondeu a essas acusações numa entrevista com Stephen Colbert, no programa noturno "The Late Show".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG