Ator espanhol detido por insultar Deus e a Virgem Maria

Willy Toledo foi detido depois de se recusar a prestar declarações três vezes. Na origem da situação, uma queixa por causa de uma publicação no Facebook que começava com "cago em Deus" e que causou polémica

O ator e produtor espanhol Willy Toledo foi esta quinta-feira libertado, depois de prestar declarações num tribunal de Madrid, e após passar a noite de tido. Na origem dos problemas de Toledo com a justiça está uma alegada ofensa a sentimentos religiosos quando o ator defendeu três mulheres acusadas de blasfémia, numa publicação no Facebook.

Foi a julho de 2017, em Sevilha, que três mulheres simularam uma procissão com uma representação gráfica de uma vagina gigante, de seu nome "Coño Insumiso" (o que se pode traduzir por, de uma forma mais ligeira, para "vagina insubmissa").

A 5 de julho, Willy Toledo reagiu ao facto de as mulheres terem sido processadas: "Cago em Deus. E sobra-me merda para cagar no dogma da santidade e na virgindade da Virgem Maria. Este país é uma vergonha insuportável. Mete-me nojo. Vão à merda. Viva o Coño Insumbisso", escreve no Facebook.

As declarações causaram polémica e foram denunciados ao Ministério Público pela Associação Espanhola de Advogados Cristãos, explica o El País. A Associação considera que as declarações constituem um crime de ofensa e que as palavras usadas "cobrem Deus e a Virgem Maria de ridículo".

Toledo, de 48 anos, foi detido por faltado a duas convocatórias para marcar presença perante um juiz. Disto resultou uma acusação de obstrução à justiça. O artista argumenta que não compareceu porque não concorda com a situação.

Hoje, à saída do tribunal, Toledo disse que está a fazer "o que tem de fazer, que é chamar a atenção, porque é vergonhoso que existam cinco artigos no Código Pedal espanhol relativos a sentimentos religiosos". Acrescentou que não cometeu "nenhum delito" e que, ao forçar uma detenção, estava a cometer um ato "desobediência civil".

O seu advogado queixou-se do facto de não ter sido autorizado a falar com o seu cliente durante a detenção, algo que disse "nunca ter ouvido", e disse também que está a acontecer uma "criminalização" da liberdade de expressão, "como nos tempos da Santa Inquisição".

Dentro das demonstrações de apoio a Willy Toledo, está, por exemplo, o ator Javier Bardem. "Que [Willy] possa ir para a prisão pela sua opinião é uma coisa franquista", afirmou o conhecido ator. A 22 de maio, os dois estiveram presentes, entre muitos, numa igreja em Entrevías, um bairro madrileno.

A 10 de setembro, no Facebook, Willy Toledo disse que a polícia havia de o levar para falar com um juiz no dia 13, acrescentando que queria levar o seu ato de "desobediência até às últimas consequências" e que não se ia entregar. Informou também que na quarta-feira (passada) iria acontecer uma vigília no Teatro del Barrio, em Madrid, convocada pelo Movimento Antirrepressivo de Madrid

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.