Ativistas ocupam a pista e obrigam a encerrar aeroporto em Londres

Grupo de manifestantes do movimento Black Lives Matter ocupou pista do aeroporto da City esta madrugada. Já foram detidos

Um grupo de ativistas do movimento Black Lives Matter, que faz campanha pelo fim da discriminação e violência policial contra os negros, ocupou a pista do aeroporto da City de Londres, popular entre banqueiros e empresários, obrigando a suspender todos os voos de partida e chegada.

Segundo a BBC, que cita um comunicado da polícia londrina, as autoridades foram chamadas ao local pelas 05:40 depois de nove manifestantes terem invadido a pista. A delegação britânica do movimento Black Lives Matter já confirmou ser responsável pelo protesto: "Enquanto no aeroporto da City de Londres uma pequena elite consegue voar, só em 2016 sabe-se que 3176 migrantes já morreram ou estão desaparecidos no Mediterrâneo. Os negros são os primeiros a morrer, não os primeiros a voar, neste clima de crise racista. Notamos, no entanto, que o Reino Unido está disponível para pagar voos especiais para retirar os negros do país baseando-se no seu estatuto de imigrantes", sublinhou o grupo no Twitter.

Nas redes sociais, o movimento sublinha ainda que "a crise do clima é uma crise racista", assinalando que sete dos dez países mais afetados pelas alterações climáticas ficam na África subsariana.

Todos os manifestantes na pista foram detidos pelas 09:30. Um deles estava no cimo de um tripé e foi preciso removê-lo com uma escada da polícia. Os ativistas estavam acorrentados uns aos outros. A Scotland Yard está a investigar como é que o grupo conseguiu ultrapassar as barreiras de segurança e chegar à pista.

No ano passado, indica a BBC, este aeroporto foi usado por 4,3 milhões de passageiros.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras