Ataque aéreo no Iémen atinge autocarro com crianças

A guerra no Iémen dura há três anos e já provocou mais de dez mil mortos.

Dezenas de pessoas morreram nesta quinta-feira, incluindo um grupo de crianças que viajavam dentro de um autocarro, depois de um ataque aéreo da coligação liderada pela Arábia Saudita, na província de Saada, no norte do Iémen, informou um oficial de saúde do Iémen e o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

De acordo com a agência Reuters, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla inglesa) afirma que um autocarro que transportava crianças foi atingido no mercado de Dahyan. Na página oficial do ICRC no Twitter, o órgão diz que o hospital ao qual a Cruz Vermelha presta auxílio recebeu os corpos de 29 crianças, todas com menos de 15 anos. A unidade de saúde também recebeu 48 feridos, dos quais 30 são menores.

O oficial do Departamento de Saúde de Saada, Abdul-Ghani Sareeh, também vincou que o ataque no mercado vitimou as crianças. "Um autocarro que transportava crianças foi atingido enquanto elas vinham da escola de verão, resultando em 43 mártires e 63 feridos", afirmou.

"As nossas lojas estavam abertas e havia pessoas a passear como é costume. Todas as pessoas que morreram eram residentes, crianças e donos de lojas", disse à agência Reuters Moussa Abdullah, uma testemunha que ficou ferida e estava a ser tratada no hospital.

A guerra no Iémen dura há três anos e decorre de um conflito entre Arábia Saudita e os muçulmanos sunitas contra os houthis, um movimento político-partidário maioritariamente xiita e que controla a capital Saná e o norte do país. A revolta dos houthis (apoiados pelo Irão) levou ao exílio do governo reconhecido internacionalmente em 2014. Os EUA e outros aliados ocidentais forneceram armamento e serviços de informação à coligação e vários grupos de direitos humanos criticaram a ação dos países ocidentais, por alegadamente terem contribuído para a morte de centenas de civis.

O representante da Organização Mundial da Saúde no Iémen, Nevio Zagaria, confirmou a ativação de um mecanismo de mantimentos de emergência. "Estou extremamente triste, o ataque não é aceitável", considerou.

A guerra no Iémen já matou mais de dez mil pessoas e desalojou mais de dois milhões de civis, de acordo com as Nações Unidas.

O conflito do Iémen começou com uma guerra civil, mas rapidamente se transformou numa guerra por procuração entre a Arábia Saudita e o Irão. Os sauditas têm acusado o Irão de fornecer os mísseis com que os houthis já tentaram atingir Riade. O Irão desmente envolvimento.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.