Astronauta Buzz Aldrin processa os filhos por lhe roubarem o dinheiro

Dois dos filhos e a antiga empresária do segundo homem a pisar a Lua denunciam o seu "declínio mental" aos 88 anos. E tentaram assumir o controlo das suas finanças.

"Que ninguém pense que eu preciso de um guardião", garantia Buzz Aldrin há dias numa entrevista ao Wall Street Journal. Agora, o antigo coronel da Força Aérea americano, mais conhecido por ter sido o segundo homem a pisar a Lua depois de Neil Armstrong, decidiu processar dois dos seus filhos e a antiga empresária depois de estes terem tentado assumir o controlo das suas finanças.

Aldrin apresentou queixa num tribunal da Florida após os filhos terem dado entrada com uma petição para assegurarem a gestão da sua fortuna, alegando que o pai precisa de um guardião legal uma vez que, aos 88 anos, está em "declínio mental". Em causa está a gestão da empresa Buzz Aldrin Enterprises e da organização sem fins lucrativos ShareSpace Foundation.

O astronauta garante que o filho Andrew, a filha Janice e a empresária Christina Korp prejudicaram a sua vida sentimental, não permitindo que se voltasse a casar.

Estes afirmam que Aldrin se tem rodeado de novos amigos que estão a tentar afastá-lo da família. Segundo os familiares, o ex-militar tem vindo a gastar dinheiro a "um ritmo alarmante".

Na queixa que apresentou, Aldrin garante que os filhos e a empresária se apoderaram indevidamente de memorabilia espacial e outros artefactos alusivos à sua ida à Lua em 1969 - tudo no valor de milhões de dólares. E acusa-os de o caluniarem, afirmando que sofre de demência e Alzheimer.

O filho mais velho de Aldrin ficou de fora da queixa.

O astronauta deverá agora ser avaliado psicologicamente por um perito designado pelo tribunal.

Buzz Aldrin fez parte da tripulação da Apollo 11 que em 1969 colocou dois homens na Lua. Michael Collins ficou no módulo de comando Columbia enquanto Armstrong e Aldrin pousavam o Eagle no satélite natural da terra.

Nos últimos anos, Aldrin tem sido um grande defensor das viagens espaciais a Marte.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG