As semelhanças entre "House of Cards" e a política brasileira

No Brasil, na Alemanha e nos Estados Unidos já se fizeram comparações entre as personagens da série e Dilma e Lula.

É a paródia do momento: comparar a série House of Cards com a política brasileira.

O próprio Frank Underwood, a personagem sem escrúpulos e sedenta de poder interpretada por Kevin Spacey, já se ri daquilo que se passa no Brasil, com a detenção do ex-presidente por suspeitas de corrupção e as alegadas manobras com a atual presidente para escapar às malhas da justiça.

No dia 16 de março, no Twitter da série foi publicado um vídeo, em que se vê Frank Underwood a rir-se. Porquê? Porque está a acompanhar as notícias no Brasil.

Esta não foi a primeira vez que a produção da Netflix gozou com o panorama político brasileiro. A 19 de fevereiro, ainda a convulsão não atingira o auge - com a tomada de posse de Lula como ministro da Casa Civil de Dilma a ser suspensa, ontem - e já House of Cards punha os olhos no que se passava no país. "Em português do Brasil, eles não dizem 'impeachment', eles dizem 'se inspirar no Francis Underwood' e acho isso fantástico", lia-se num outro tweet.

No Brasil, o Netflix promoveu a estreia da quarta temporada da série com uma paródia da capa da revista Veja de 29 de outubro de 2014, que tinha imagens de Dilma e Lula e o título "Eles sabiam de tudo". Agora, temos a Olha, nas fotografias estão Claire e Frank Underwood e no título lê-se "Eles planejaram tudo".

Mas há mais exemplos de paródia e alguns deles bem engenhosos. É o caso do genérico da série, já adaptado: em vez das imagens de Washington, temos imagens de Brasília; e em vez dos nomes dos atores, temos os nomes dos protagonistas da política brasileira. A graça é da autoria do site de humor Jesus Manero.

O jornal brasileiro Nexo avançou, a 1 de março, com um questionário para testar os conhecimentos dos leitores. Descreve várias situações políticas e pergunta "Aconteceu em Brasília ou em House of Cards?". Algumas aconteceram em ambas e o questionário teve tanto sucesso que já está a ser republicado em sites de língua inglesa.

Se quiser, pode responder às perguntas e testar os seus conhecimentos aqui.

Ainda no Brasil, o presidente da Câmara dos Deputados é, muitas vezes e publicamente, comparado a Frank Underwood. De tal forma que Eduardo Cunha já falou sobre isso. "As caraterísticas dele não combinam comigo. Nenhuma das três - até porque ele é homossexual, ladrão... e assassino", afirmou citado pelo site Terra, segundo o qual a comparação já foi feita por duas publicações americanas: a revista The Economist e o jornal The Washington Post.

Também o The New York Times se dedicou à comparação. A 26 de abril do ano passado, um analista político dizia acerca das movimentações na política do Brasil que "Esse é o House of Cards no estilo brasileiro, em que os líderes do Congresso ocupam o espaço, enquanto a presidente está fraca".

Há dias, foi o jornal alemão Die Zeit a fazer a comparação. Segundo o jornal Estadão, para a publicação germânica, a política brasileira é melhor que a série: "Por estes dias, é difícil entender por que ainda há pessoas que se interessam por House of Cards. Elas não acompanham as notícias da política brasileira?".

E esta novela ainda agora começou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG