Guterres recebe prémio da CPLP a 5 de novembro em Lisboa

Secretário-geral da ONU desde 1 de janeiro de 2017, António Guterres recebe, a 5 de novembro, o prémio José Aparecido de Oliveira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, recebe, a 5 de novembro, em Lisboa, o prémio José Aparecido de Oliveira, atribuído pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), disse à Lusa fonte oficial da organização lusófona.

Na XII conferência de chefes do Estado e do governo da CPLP, que decorreu a 17 e 18 de julho deste ano, em Santa Maria, na ilha do Sal, Cabo Verde, foi outorgado o prémio José Aparecido de Oliveira ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), antigo primeiro-ministro português e ex-alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres.

Segundo a organização lusófona, os chefes do Estado e do governo tomaram esta decisão "pela atuação singular, com projeção internacional, na defesa e promoção dos princípios e valores da CPLP, bem como pelo elevado contributo na promoção e difusão da língua portuguesa" de António Guterres.

Guterres participou, enquanto primeiro-ministro de Portugal, na cimeira constitutiva da CPLP, a 17 de julho de 1996.

O prémio, criado em 2011, seria atribuído pela primeira vez no ano seguinte ao antigo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2014, receberam a distinção o antigo presidente e primeiro-ministro timorense Xanana Gusmão e a Igreja Católica Timorense, enquanto em 2016 os distinguidos foram o antigo chefe do Estado português Jorge Sampaio, o ex-secretário executivo da Comissão Económica das Nações Unidas para África Carlos Lopes e o embaixador Lauro Barbosa da Silva Moreira, diplomata de carreira do Brasil e primeiro representante permanente junto da CPLP.

Guterres, secretário-geral da ONU desde 1 de janeiro de 2017, é também um dos oradores convidados do Web Summit, que decorre em Lisboa entre os dias 5 e 8 de novembro.

CLIQUE AQUI PARA LER ENTREVISTA A GUTERRES EM 2017

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.