Antiga fortaleza do traficante Pablo Escobar destruída. Veja o vídeo

O espaço será transformado num jardim em memória das vítimas do narcotráfico, que morreram nos anos 80 e 90, na Colômbia.

Perto de 1.600 pessoas assistiram esta sexta-feira à demolição de um edifício de oito andares, antiga fortaleza do narcotraficante Pablo Escobar, em Medellín, na Colômbia. Os apartamentos "Mónaco", onde o colombiano viveu na década de 80, tinham-se tornado uma atração para turistas, que queriam conhecer um dos locais relacionados com a história do narcotráfico, mandado construir por Escobar na luxuosa zona do El Poblado.

Em declarações aos jornalistas, Federico Gutierrez, prefeito de Medellín, disse que o local era um símbolo do mal. Agora, conta a Reuters, a ideia é transformar o espaço num jardim de 5 mil metros quadrados dedicado às vítimas do tráfico de droga.

A demolição aconteceu às 11.53 (hora local) e demorou apenas três segundos, tendo sido realizada com o recurso a explosivos.

Em 1988, o edifício Mónaco sobreviveu a um ataque feito com um carro-bomba, numa luta entre os cartéis de Cali e Medellín, quando a família de Pablo Escobar se encontrava no interior. Era também ali que o narcotraficante guardava as suas coleções de carros.

O objetivo, conta o jornal El Tiempo, é que, no futuro, os visitantes sejam convidados a visitar o espaço para conhecer e refletir sobre a história de violência na cidade, que fez perto de 46.200 vítimas entre 1983 e 1994.

Segundo a mesma fonte, cerca de 1.500 pessoas que residem e trabalham no bairro Santa María de Los Ángeles foram evacuadas, como medida de precaução.

A fortaleza, que se encontrava ao abandono, tinha 34 lugares de estacionamento, 12 apartamentos e duas piscinas.

Pablo Escobar foi morto em 1993, numa operação conjunta entre as autoridades dos EUA e da Colômbia.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.