Anel de diamantes confirma. Primeira ministra da Nova Zelândia está noiva

Jacinda Ardern esteve numa cerimónia com um anel de diamantes. Terá ficado noiva durante a Páscoa.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, está noiva do seu companheiro Clarke Gayford. A notícia, já confirmada por um porta-voz da governante, surgiu depois de Ardern ter estado presente numa cerimónia esta sexta-feira com um anel de diamante no dedo médio da mão esquerda. De acordo com fonte oficial o casal ficou noivo durante a Páscoa.

No ano passado, Jacinda Ardern foi mãe do primeiro filho do casal, uma rapariga que se chama Neve Te Aroha. No início do ano e perante perguntas sobre se iria propor ao companheiro, o apresentador de televisão Clarke Gayford, um outro tipo de comportamento, salientou que nunca o faria.

Ardern tornou-se a segunda governante a nível mundial a dar à luz enquanto cumpre funções governativas. A primeira foi Benazir Bhutto, duas vezes primeira ministra do Paquistão.

Na altura, sublinhou que seria o companheiro a ficar em casa a tomar conta da filha de ambos. "Tenho muita sorte. Tenho um parceiro que pode estar ao meu lado e pode assumir essa responsabilidade."

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.