Alexandra, 15 anos, foi raptada. Polícia terá ignorado pedidos de ajuda

Foram encontrados restos mortais na casa de onde a adolescente fez as três ligações para o 112. Chefe da polícia foi demitido.

O ministro do Interior da Roménia, Nicolae Moga, demitiu o chefe da polícia depois de uma adolescente ter sido alegadamente assassinada após ter feito várias chamadas de emergência, que foram ignoradas durante horas. A jovem de 15 anos foi raptada na quarta-feira, mas ainda conseguiu fazer três ligações e dar detalhes às autoridades sobre o local onde estava presa.

A jovem foi raptada quando estava a pedir boleia para casa, de acordo com a polícia, citada pela BBC.

A família de Alexandra - não foi revelado o apelido - defende que a polícia romena não levou as chamadas da jovem a sério e as autoridades dizem que não foi possível perceber a tempo de onde a adolescente fez as ligações.

A polícia encontrou restos humanos - e joias que a jovem costumava usar - no interior de uma casa, e deteve um homem de 65 anos. Não é certo que os restos mortais sejam os de Alexandra.

Na manhã de quinta-feira, a jovem ligou para a linha de emergência 112 três vezes e disse que havia sido raptada pelo homem que lhe tinha dado boleia, revela a AFP.

Segundo Ioan Buda - o chefe de polícia demitido -, Alexandra gritou a alertar que o homem se estava a aproximar antes de a ligação cair.

A versão das autoridades é a de que demoraram a perceber de onde vinham as chamadas da adolescente e só pelas três da manhã conseguiram encontrar a casa de onde a adolescente teria feito as chamadas.

No entanto, segundo a AP, que cita os media locais, a polícia pediu um mandado de busca - o que não era exigido legalmente - e esperou pela manhã para entrar na casa. Tinham passado 19 horas desde a última chamada de Alexandra.

A polícia já enviou os restos mortais para autópsia. Podem pertencer à adolescente ou a uma jovem de 18 anos que desapareceu em abril, de acordo com a Reuters.