Air New Zealand suspende norma que proibia tatuagens visíveis

A regra era criticada por discriminar a população maori, que usa tatuagens no corpo e no rosto para mostrar a sua herança cultural.

A partir do próximo dia 1 de setembro, todos os funcionários da Air New Zealand poderão passar a exibir tatuagens "não ofensivas" no trabalho. De acordo com a BBC, a companhia aérea decidiu acabar com uma norma que proibia os funcionários de ter tatuagens visíveis. A medida era criticada por alegadamente discriminar a população maori.

O fim da proibição permitirá que os funcionários da empresa expressem a sua liberdade cultural e individual.

Alguns neozelandeses com herança indígena maori usam tatuagens no rosto e no corpo, como forma de marcar a sua genealogia e a herança. Feitas com cinzéis, as tatuagens conhecidas como moko são consideradas uma tradição sagrada, que expressam os laços da pessoa com a família e a sua identidade cultural.

As tatuagens faciais - conhecidas como moko kauae - são particularmente importantes. Enquanto nas mulheres cobrem o queixo, nos homens ocupam todo o rosto.

As regras da empresa, que até agora impediam as tatuagens visíveis, eram consideradas discriminatórias e até hipócritas, uma vez que a Air New Zealand usa outros aspetos da cultura maori, como linguagem e símbolos, na sua estratégia de marketing.

Christopher Luxon, presidente executivo da empresa, diz que esta é uma maneira de a companhia aérea abraçar a diversidade e permitir que os funcionários expressem a sua "individualidade ou herança cultural".

"Queremos libertar os nossos funcionários", afirma Christopher Luxon, destacando que, "pela primeira vez", todos os colaboradores poderão ter "tatuagens não ofensivas visíveis quando usarem as fardas".

A companhia aérea revela que um em cada cinco adultos neozelandeses tem pelo menos uma tatuagem, sendo que mais de 35% da população abaixo dos 30 anos tem tatuagens.

De acordo com a BBC, a Air New Zealand sondou os seus funcionários e clientes durante cerca de cinco anos antes de tomar a decisão de banir a regra que proibia as tatuagens visíveis.

Segundo um porta-voz da empresa, as tatuagens serão tratadas como a fala. Ou seja, se um funcionário não pode fazer comentários ofensivos, piadas indecentes ou usar linguagem violenta no local de trabalho, também não pode ter tatuagens que contenham esse tipo de mensagens.

Se existir dúvidas quanto às tatuagens, o funcionário terá que passar por um Painel de Revisão de Tatuagens, que irá determinar se as mesmas estão alinhadas com a política da companhia aérea.

Exclusivos