Acordado cessar-fogo na província iemenita de Hodeida

O acordo obtido prevê uma retirada das forças governamentais e rebeldes da cidade e do porto de Hodeida

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, anunciou esta quinta-feira que as partes envolvidas na guerra do Iémen acordaram um cessar-fogo em toda a província de Hodeida e uma retirada de tropas da disputada cidade portuária no Mar Vermelho.

O acordo obtido prevê uma retirada das forças governamentais e rebeldes da cidade e do porto de Hodeida, controlados pelos Huthis, mas alvo de uma ofensiva da coligação internacional sob comando saudita.

A ONU desempenhará um "papel chave" no controlo daquele porto no Mar Vermelho por onde passa a maioria da ajuda humanitária destinada ao Iémen, precisou António Guterres.

O secretário-geral da ONU, que falava na cerimónia de encerramento das consultas entre os beligerantes, iniciadas a 6 de dezembro e patrocinadas pelas Nações Unidas, agradeceu às delegações iemenitas pelo que classificou de "passo importante".

Trata-se de um "progresso real para conversações futuras para acabar com o conflito", disse Guterres.

A guerra no Iémen ameaça de fome até 20 mil pessoas

"Obrigado por virem aqui para discutir um futuro melhor para o Iémen", declarou o secretário-geral da ONU, que adiantou que a próxima ronda de negociações deverá realizar-se no final de janeiro.

A guerra no Iémen já causou pelo menos 16.000 mortos e ameaça de fome até 20 mil pessoas.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.