A vida difícil da tripulação do Air Force One

Com Donald Trump as viagens do avião que transporta o presidente norte-americano passaram de procuradas a temidas

O desagrado dos funcionários da Administração americana com o presidente Donald Trump não se fica pela Casa Branca, como já foi muitas vezes noticiado, mas estende-se à tripulação do Air Force One, o avião que transporta os presidentes dos Estados Unidos. Quem o diz é a CNN que, num trabalho publicado este sábado, baseado nos depoimentos de cinco membro da tripulação do avião presidencial, "atuais e antigos" (que não são nomeados), diz que as viagens com o líder norte-americano, sobretudo as de longo curso, não têm sido uma experiência agradável para quem o acompanha.

"É como ser mantido em cativeiro", refere um desses elementos à CNN, revelando que as viagens do Air Force One passaram de procuradas a temidas: se no início do mandato os funcionários se digladiavam para entrar no staff das viagens presidenciais, agora fazem o que podem para evitá-las, dado que a natureza instável do presidente tende a transformar as horas de voo num frenesim permanente. Trump é descrito como um viajante impaciente que não gosta de se afastar durante muito tempo do dia a dia da política interna dos Estados Unidos.

Tipicamente, disseram as mesmas fontes à CNN, Trump passa o tempo das viagens em quatro atividades - a comer, a ver televisão e jornais, a falar com o staff e a telefonar para amigos e aliados. De acordo com os relatos, as televisões do avião presidencial estão permanentemente sintonizadas na Fox News e se as notícias não são de feição a Trump é de esperar um voo atribulado - o presidente chama funcionários quando estão na hora de descanso, impaciente para discutir a resposta a algo que viu nos media ou a uma reunião que terá à chegada. ​​Há muito que Trump alega que é tratado injustamente pela comunicação social e se vê algo que não lhe agrada - "o que acontece invariavelmente", diz uma das fontes - chama de imediato a equipa para contestar as notícias, esteja na casa Branca ou no Air Force One. E manda acordar quem está a dormir não necessariamente para discutir uma questão política importante - pode ser para falar sobre desporto ou sobre um rumor que ouviu.

Ocasionalmente, Donald Trump toma comprimidos para dormir, revelou o seu médico o ano passado, mas habitualmente o presidente norte-americano, dorme quatro a cinco horas por noite na Casa Branca e menos ainda no avião presidencial - as sugestões para se juntar à primeira-dama na cabine, na frente do avião, reservada ao repouso do casal presidencial, não costumam surtir efeito. "Ele não vai dormir", diz uma das fontes da CNN.

De acordo com a peça da CNN, ao contrário de anteriores presidentes, que optavam por fazer as viagens longas durante a noite, Trump prefere viajar de dia e passar algumas horas no hotel, começando os compromissos oficiais ao início do dia. Não é raro exigir alterações aos programas pré-definidos pela sua equipa e em várias ocasiões terá repreendido os funcionários por considerar inadequado o alojamento - terá sido o caso de uma viagem ao estrangeiro quando descobriu que não tinha acesso à Fox News. Outra das preocupações do seu staff nos encontros preparatórios das viagens ao exterior é a comida: Trump não gosta de surpresas. Exemplo dado pela CNN: servirem-lhe peixe sem tirar a cabeça.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.