A rotina de Trump. O Presidente viciado em televisão

Os dias do novo Presidente dos EUA são muito diferentes do que eram os dos seus antecessores. E têm muita televisão

Não é um homem comum, muito menos consensual, mas é o Presidente dos Estados Unidos da América. Donald Trump, que é notícia praticamente todos os dias por alguma declaração ou ação política, muitas vezes imprevisíveis, conseguiu chegar à Casa Branca, onde vive... sozinho.

A mulher Melania e o filho Barron permanecem em Nova Iorque até que o petiz acabe a escola, deixando Trump sozinho num dos edifícios mais importantes do planeta, com um dos cargos mais importantes do mundo.

Até a sua rotina é muito diferente daquelas que tinham outros presidentes.

Barack Obama acabava os dias de trabalho a ler na Sala Oval ou na residência. Os livros ajudavam a "parar e ter perspetiva" do que se passava no mundo e refletir. George W. Bush entrava na Sala Oval às 7:30 da manhã e apenas interrompia a jornada de trabalho com uma sessão de desporto ou de brincadeira com os seus cães. Comia com a família e descansava as oito horas recomendadas, conta o El País. Bill Clinton, por seu lado, saía para correr três vezes por semana, um hobby que o antigo Presidente considerava essencial para se libertar mentalmente do intenso e importante trabalho que tinha.

Chegamos agora ao presidente que não lê, não faz desporto e é conhecido por ter uma dieta questionável no que toca à saúde. Donald Trump tem um dia-a-dia absolutamente díspar de anteriores presidentes.

Acorda às seis da manhã, como fazia na Trump Tower, em Nova Iorque, mas só começa a trabalhar às nove. Pelo meio, vê os programas de televisão noticiosos da manhã e também olha para as capas dos jornais, mesmo aqueles que diz serem "inimigos do povo" e "falsos", como o The New York Times e o The Washington Post.

Após três horas de entretenimento, o presidente muda-se para a Sala Oval, na ala oeste da Casa Branca. Durante o dia de trabalho, Trump mantém reuniões com empresários, assessores e outros membros da sua administração. Pelo meio, almoça com o seu vice, Mike Pence.

De acordo com o Washington Post, Donald Trump dá por encerrada a jornada de trabalho às seis/sete da tarde, altura em que volta à residência. Sem a família, acaba o dia como o começou, com televisão e, pelo meio, outro dos seus passatempos preferidos, o Twitter. Os seus tweets tornam-no um presidente único e o primeiro a recorrer de forma tão forte, e muitas vezes agressiva, à rede social.

Muitas vezes os dois passatempos até se juntam, com Trump a tweetar enquanto vê determinados programas de televisão, muitas vezes de canais de que gosta imenso, como a Fox News.

Ao fim de semana, vai para a "Casa Branca de inverno", a sua mansão em Mar-a-Lago. Aí joga golfe e conversa com amigos, longe da pressão da presidência.

Todos os presidentes necessitam de um período de adaptação à Casa Branca. Daí que, tal como acontece na sua Trump Tower, a Sala Oval tenha agora cortinas douradas.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.