A primeira mulher a usar a boina verde e a integrar a força de elite do exército dos EUA

A cerimónia de graduação realizou-se na base militar de Fort Bragg, na Carolina do Norte, onde, pela primeira vez, uma mulher envergou a famosa boina verde desta força de elite do exército norte-americano.

Ao dirigir-se a "homens e mulheres boinas verdes", o tenente-coronel Fran Beaudette, Comandante do Comando de Operações Especiais do Exército dos EUA, estava a fazer parte de um momento histórico. Desde que esta unidade especial foi criada, na década de 1950, nunca uma mulher tinha concluído o treino de formação e recebido a famosa boina verde, que faz parte do uniforme desta força de elite do exército norte-americano.

"A partir daqui, vão seguir em frente e juntam-se a esta formação histórica dos Boinas Verdes, onde farão o que foram treinados para fazer: desafiar conceitos, derrubar barreiras, desfazer estereótipos, inovar e alcançar o impossível", afirmou ​​Beaudette no discurso da cerimónia de formatura, realizado na quinta-feira, na base militar de Fort Bragg, na Carolina do Norte. A ouvir estas palavras estava a soldado que concluiu o Curso de Qualificação das Forças Especiais. Um treino que durou um ano.

Esta é a primeira vez que uma mulher integra o corpo especial Boinas Verdes, uma das unidades de elite dos EUA, desde que, em 2016, o Departamento de Defesa permitiu a entrada de mulheres para o exercício de funções em unidades de operações especiais.

Embora as mulheres estejam presentes nas forças armadas desde a guerra da independência dos EUA, só a partir de 2016 é que foi permitida a entrada de mulheres em todas as posições de combate.

A cerimónia de formação foi realizada em conformidade com as regras de saúde pública no âmbito da pandemia de covid-19, de acordo com o exército norte-americano, que não revela quem são os elementos das forças especiais para proteger as suas identidades em futuras missões, entre as quais se inserem as ações de combate ao terrorismo.

"Todos e cada um de vocês demonstrou a capacidade de cumprir as normas e competências básicas para a admissão no nosso Regimento", continuou Fran Beaudette, na cerimónia de graduação, onde, pela primeira vez na história, uma mulher soldado usou a boina verde, junto dos restantes colegas da sua classe. "Felizmente, depois de hoje [quinta-feira], os nossos homens e mulheres Boinas Verdes vão permanecer para sempre no coração dos povos livres em toda a parte", referiu ainda Beaudette na cerimónia.

Mas esta não foi a primeira mulher a concluir o treino dos Boinas Verdes. Escreve a CNN que a capitã Kate Wilder não foi autorizada a formar-se em 1980, tendo recebido o certificado de graduação no ano seguinte, após ter apresentado uma queixa de discriminação. Nunca usou boina verde, mas permaneceu nesta unidade de elite até se reformar.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG