A mulher misteriosa que gastou 18 milhões de euros no Harrods

Entrada em vigor, no Reino Unido, de lei sobre riqueza não explicada permitiu identificar mulher de ex-banqueiro do Azerbaijão. E os britânicos podem ter de devolver o dinheiro

Durante dez anos, os funcionários do Harrods, em Londres, habituaram-se a ter Zamira Hajiyeva entre os seus melhores clientes. Entre joias, perfumes, roupa e um sem fim de artigos de luxo, esta mulher gastou mais de 18 milhões de euros em compras nos armazéns londrinos, ao longo da última década. Ou seja, uma média de 4600 euros por dia.

Agora, no entanto, o Harrods arrisca-se a perder uma boa cliente. Zamira Hajiyeva tornou-se a primeira pessoa a ser investigada ao abrigo da nova lei sobre riqueza não explicada (UWO) e viu a justiça britânica autorizar a sua identificação, para justificar a origem desconhecida do dinheiro gasto no Reino Unido - além de cliente fervorosa dos famosos armazéns, Zamira deu-se a outros luxos, como uma casa na zona de Knightsbridge, adquirida por 17 milhões de euros, um campo de golfe em Berkshire, nos arredores da capital britânica, adquirido por 12 milhões através de uma empresa com sede nas Ilhas Virgens Britânicas.

Marido detido no Azerbaijão

Mas quem é então Zamira Hajiyeva? Foi o que se ficou a saber então esta semana, por decisão do Supremo Tribunal. Hajiyeva, de 55 anos, é natural do Azerbaijão e mulher do antigo presidente do International Bank of Azerbaijan, Jahangir Hajiyev, condenado a 15 anos de prisão em 2016, por fraude e apropriação indevida de bens, tendo alegadamento desviado mais de 115 milhões de euros do banco estatal, durante o período em que esteve na presidência, entre 2001 e 2015.

Foi, de resto, através de 35 cartões de crédito ligados ao banco onde o marido trabalhava que Zamira fez as suas compras no Harrods ao longo dos últimos dez anos, motivando as suspeitas das autoridades britânicas. A cidadã azeri garante que não cometeu qualquer crime e que o dinheiro é limpo, prevoeniente de negócios feitos pelo marido ao longo da vida.

O marido, Jahangir Hajiyev, alega que a sua prisão se ficou a dever a motivações políticas, acusando o governo azeri de corrupção e pedindo a ação do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

As autoridades britânicas querem ver explicado, contudo, como é que a mulher de um banqueiro cujo vencimento anual declarado era de 61 mil euros conseguiu ter um estilo de vida tão opulento em Londres.

O que é a UWO?

A Ordem de Riqueza não Explicada - Unexplained Wealth Order, conhecida pela sigla UWO - é uma nova lei que permite às forças policiais obter explicações sobre a origem desconhecida de dinheiro e património no Reino Unido e pode ser aplicada a pessoas sobre quem recaiam razoáveis suspeitas de envolvimento, ou ligação a pessoa envolvida, em atividades criminosas.

Na sequência da investigação, se ficar provado que o dinheiro gasto por Zamira Hajiyeva em Inglaterra foi proveniente de atividades ilícitas, as autoridades britânicas podem confiscar os bens comprados pelos Hajiyev e podem mesmo ter de devolver o dinheiro ao Azerbaijão, admitiu Donald Toon, diretor da Agência Nacional contra o Crime no Reino Unido. "Em última instância, será um caso político internacional", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.