A extrema-direita e as eleições que marcam o fim de uma era

A escolha é entre Norbert Hofer (do Partido da Liberdade) e Van der Bellen (apoiado pelos Verdes). Tudo está em aberto nas eleições presidenciais

A corrida está renhida e os analistas políticos vão-se escondendo em variantes um pouco mais eruditas da frase "prognósticos só no fim do jogo". É difícil prever o resultado, mas a Áustria pode tornar-se o primeiro país da União Europeia, no pós-guerra, a eleger como chefe do Estado um político que a generalidade da imprensa internacional e dos analistas classifica como de extrema-direita. Para que tal aconteça basta que Norbert Hofer, o candidato do Partido da Liberdade (FPÖ), vença amanhã a segunda volta das eleições presidenciais.

A pole position é sua, depois de ter conseguido 35% dos votos na primeira ronda. Do outro lado da barricada, nesta batalha a dois, está Alexander Van der Bellen, candidato apoiado pelos Verdes, que obteve 21,3%.

"É impossível prever o desfecho da corrida. Poucas sondagens foram publicadas e nenhum candidato tem uma vantagem que possa ser considerada decisiva", sublinha, em entrevista ao DN, o analista político Christoph Hofinger. "Olhando para os resultados da primeira volta, Van der Bellen precisa de dois votos adicionais por cada um de Hofner. Mas, como estes processos de decisão são muito imprevisíveis, ambos podem vencer por uma larga margem", acrescenta ainda o mesmo especialista austríaco.

Para já a única certeza das presidenciais é o colapso do centro político. Nenhum dos candidatos apoiados pelos dois maiores partidos conseguiu chegar aos 12% nas escolhas dos eleitores. Rudolf Hundstorfer, com a bandeira social-democrata do SPÖ, ficou em quarto lugar com 11,3%. E Andreas Kholl, do conservador Partido do Povo (ÖVP), logrou apenas 11,1%.

Os dois partidos que desde a II Guerra Mundial têm partilhado entre si o poder na Áustria e que desde 2008 governam em coligação conseguiram juntos pouco mais de 20%. O descalabro foi tal que Werner Faymann viu-se obrigado a pedir a demissão do cargo de chanceler. Para o seu lugar, o SPÖ nomeou Christian Kern (ver texto ao lado), que tomou posse na passada terça-feira.

Partidos com olho negro

"Em Viena as ruas estão limpas, o país é próspero e seguro e não há subúrbios negligenciados. Qual é então o problema da Áustria? Quais são as razões para que esteja na iminência de eleger um presidente de extrema-direita?", questiona a revista Time.

Apesar de a crise de refugiados ter ajudado ao crescimento de alguns partidos extremistas como o FPÖ, para o politólogo Thomas Hofer (ver entrevista) a questão é bastante mais ampla e complexa. "O que se passa, um pouco por toda a Europa, é uma crise dos partidos do centro. Esse descontentamento com o establishment político pode significar, consoante o país, uma viragem à esquerda ou à direita. Em Espanha, por exemplo, quem cresceu foi a extrema-esquerda", explica o analista.

No caso austríaco em concreto, Thomas Hofer relativiza a importância da crise de refugiados e coloca mais peso na inércia governativa que o bloco central tem mostrado ao longo da última década.

O bipartidarismo na Áustria está à beira de ser uma curiosidade do passado. "Estas eleições presidenciais marcam o fim de uma era. A partir de agora e provavelmente por várias décadas o sistema partidário será bastante volátil", vaticina Hofinger.

Tendo em conta que, segundo as sondagens, o FPÖ lidera as intenções de voto com mais de 30%, o mais provável é que essa volatilidade se confirme já nas próximas legislativas, marcadas para 2018.

"Nas últimas eleições, em 2013, os dois partidos tradicionais já saíram com um olho negro e o FPÖ ultrapassou os 20%", relembra Thomas Hofer.

A chave do que virá a acontecer está, na opinião deste analista, naquela que vier a ser a prestação do novo chanceler: "Se Faymann tivesse continuado no cargo era um dado quase adquirido que o FPÖ ganharia as próximas eleições. Agora, com Kern, há uma hipótese de reverter a situação, ou pelo menos de corrigir a imagem. Se o governo fizer algumas reformas e se os dois partidos começarem a trabalhar juntos em vez de estarem constantemente a bloquear-se um ao outro como têm feito nos últimos anos pode ser que as legislativas ainda sejam uma corrida aberta".

A nova temporada deste thriller político na Áustria começa já amanhã, com Norbert Hofer e Alexander Van der Bellen nos papéis principais. As poucas sondagens publicadas dão uma ligeira vantagem ao candidato da FPÖ, oscilando entre os 50% e os 53%. A corrida está renhida. Prognósticos só mesmo quando as urnas fecharem.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.