A "depenada" árvore de Natal de Roma morreu antes da consoada

Romanos estão indignados com estado da árvore de Natal. Abeto foi cortado numa floresta a 700 quilómetros da capital italiana e o transporte custou quase 50 mil euros

Um "piaçaba", "depenada", uma vergonha para a cidade. Estas são algumas das expressões usadas para descrever a árvore de Natal colocada numa das praças centrais de Roma e que nem sequer durou até à consoada: até já foi declarada "morta" pelo município da capital italiana.

A árvore, um abeto vermelho, perdeu as agulhas e morreu cerca de duas semanas depois de ser colocada na Piazza Venezia, tornando-se um símbolo da decadência de Roma, tem escrito a imprensa italiana. Um inquérito preliminar citado pelo jornal Il Messaggero refere que a árvore não terá sido coberta de forma adequada durante o transporte, que custou quase 50 mil euros, a partir de uma floresta na fronteira com a Áustria, a cerca de 700 quilómetros de Roma.

Muitos romanos apontaram o dedo à presidente da câmara da cidade, Virgina Raggi, que tem sido criticada e responsabilizada pelo estado de abandono da "cidade eterna" - que até já foi notado pelo Papa Francisco. Um dos vereadores da cidade chegou mesmo a dizer ao Il Messagero que já só se espera a "extrema-unção" do Papa para a árvore de Natal, que oferece um triste espetáculo de ramos despidos e caídos, cobertos com enfeites natalícios.

Em comunicado, o Codacons, grupo de consumidores de Itália, veio pedir uma investigação aos gastos com a árvore de 20 metros, que considerou um "espetáculo vergonhoso para cidadãos e turistas".

Muitos italianos não se coibiram de ironizar nas redes sociais: com a hastag "spelacchio" (algo como "depenada") têm partilhado fotografias e "homenagens" à árvore que não sobreviveu até ao Natal.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.