Frelimo confirma 10 mortos à saída de comício em Nampula

O incidente aconteceu num comício dirigido pelo atual presidente moçambicano Filipe Nyusi

A Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) anunciou esta quarta-feira a morte de 10 pessoas e ferimentos noutras 85 quando uma multidão saiu de forma desordenada de um comício eleitoral num estádio de Nampula, principal cidade do norte de Moçambique.

"Neste incidente, 95 membros e simpatizantes foram afetados: 85 feridos", 74 dos quais tiveram alta, e 10 mortos, "seis mulheres e quatro homens", anunciou Agostinho Trinta, primeiro secretário da Frelimo em Nampula, em conferência de imprensa.

O número total de mortos difere da informação recebida inicialmente, no Hospital de Nampula, pelo grupo coordenador das ações de campanha e que apontava para a entrada de 16 pessoas sem vida, disse à Lusa fonte da equipa. "Foi constituída uma comissão para acompanhamento das famílias", acrescentou Agostinho Trinta.

A Frelimo "aguarda junto das autoridades policiais o esclarecimento das reais causas" do incidente, concluiu.

O incidente aconteceu ao princípio da noite, pelas 17:30 (menos uma hora em Lisboa), após um comício da Frelimo dirigido pelo candidato à Presidência de República e atual chefe de Estado, Filipe Nyusi, no Estádio 25 de Junho, na capital provincial.

Contactado pela Lusa, o porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) remeteu detalhes sobre a ocorrência para quinta-feira.

As eleições em Moçambique estão marcadas para o dia 15 de outubro. Na sua visita recente ao país, o Papa Francisco apelou à reconciliação entre os moçambicanos.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.