Christine Ford: "Tenho 100 por cento de certeza" de que foi Kavanaugh

A primeira mulher a acusar o juiz de abusos sexuais disse não ter qualquer dúvida sobre a identidade do seu agressor

Na audição desta tarde no Comité Judicial do Senado norte-americano, Christine Blasey Ford, a primeira mulher - já são três - a acusar o juiz Brett Kavanaugh de abusos sexuais disse que estava "apavorada", numa declaração de abertura emocional. Questionada sobre se não se teria equivocado na identidade do agressor, a psicóloga foi perentória:"Tenho 100 por cento de certeza."

Blasey Ford acusa o candidato nomeado por Donald Trump para o Supremo Tribunal dos EUA de a ter agredido sexualmente. Os abusos terão acontecido quando os dois estavam no liceu. Kavanaugh nega as acusações.

Os republicanos cederam os seus períodos de perguntas - com duração de cinco minutos - a uma procuradora veterana, Rachel Mitchell. Os democratas estão a questionar Blasey, que negou poder ter-se "equivocado" na identidade do seu agressor.

Durante o interrogatório, Christine Blasey Ford descreveu as consequências prolongadas de ter sido atacada na adolescência - na altura dos acontecimentos, Mark Judge, um amigo de Kavanaugh, estava presente -, e disse ter ficado com sequelas do incidente traumático. E que a sua memória guardava essa lembrança. Questionada sobre qual o momento que recordava respondeu: "O riso, o riso ruidoso entre os dois, enquanto se divertiam à minha custa". "Estava debaixo de um deles enquanto os dois riam", acrescentou.

Numa declaração emocionada, a psicóloga, de 51 anos, recordou o que viveu numa festa em 1982 em que estava presente o juiz, "o rapaz que me agrediu sexualmente", assegurou.

Contou que pensou que Kavanaugh a fosse matar quando lhe tapou a boca com a mão para silenciar os seus gritos.

Questionada sobre se a decisão de acusar o juiz Kavanaugh tinha motivações políticas, Blasey Ford respondeu que "não". Afirmou, no entanto, que deviam escolher outro juiz para o Supremo.

Durante o seu testemunho, Christine Blasey Ford não escondeu o nervosismo. "Estou aqui hoje não porque quero estar. Estou apavorada", afirmou.

"Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca", garantiu Kavanaugh

A audição à psicóloga terminou e durou cerca de quatro horas. Segue-se o juiz.

Brett Kavanaugh negou as acusações de Ford de forma "categórica e inequivocamente". "Isto destruiu a minha família e o meu bom nome", afirmou o juiz. "As consequências vão fazer-se sentir por décadas", considerou. Referiu que as alegações de que terá agredido sexualmente a psicóloga fazem parte de um "golpe político calculado". "Isto é um circo",acusou.

"Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca", garantiu. "A agressão sexual é uma coisa horrível. Uma das minhas melhores amigas é uma pessoa que foi abusada e que pediu o meu conselho", disse.

Embora tenha admitido que Christine Ford possa ter sido agredida sexualmente, Kavanaugh garantiu que não foi ele. "Não é quem eu sou. Juro diante da nação e de Deus que sou inocente dessa acusação", reiterou.

O juiz nomeado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para o Supremo Tribunal emocionou-se quando se referiu à filha, de 10 anos, durante o seu testemunho na audição. Disse não desejar "nenhum mal" à psicóloga e falou que a filha reza por Christine Ford.

Exclusivos