Christine Ford: "Tenho 100 por cento de certeza" de que foi Kavanaugh

A primeira mulher a acusar o juiz de abusos sexuais disse não ter qualquer dúvida sobre a identidade do seu agressor

Na audição desta tarde no Comité Judicial do Senado norte-americano, Christine Blasey Ford, a primeira mulher - já são três - a acusar o juiz Brett Kavanaugh de abusos sexuais disse que estava "apavorada", numa declaração de abertura emocional. Questionada sobre se não se teria equivocado na identidade do agressor, a psicóloga foi perentória:"Tenho 100 por cento de certeza."

Blasey Ford acusa o candidato nomeado por Donald Trump para o Supremo Tribunal dos EUA de a ter agredido sexualmente. Os abusos terão acontecido quando os dois estavam no liceu. Kavanaugh nega as acusações.

Os republicanos cederam os seus períodos de perguntas - com duração de cinco minutos - a uma procuradora veterana, Rachel Mitchell. Os democratas estão a questionar Blasey, que negou poder ter-se "equivocado" na identidade do seu agressor.

Durante o interrogatório, Christine Blasey Ford descreveu as consequências prolongadas de ter sido atacada na adolescência - na altura dos acontecimentos, Mark Judge, um amigo de Kavanaugh, estava presente -, e disse ter ficado com sequelas do incidente traumático. E que a sua memória guardava essa lembrança. Questionada sobre qual o momento que recordava respondeu: "O riso, o riso ruidoso entre os dois, enquanto se divertiam à minha custa". "Estava debaixo de um deles enquanto os dois riam", acrescentou.

Numa declaração emocionada, a psicóloga, de 51 anos, recordou o que viveu numa festa em 1982 em que estava presente o juiz, "o rapaz que me agrediu sexualmente", assegurou.

Contou que pensou que Kavanaugh a fosse matar quando lhe tapou a boca com a mão para silenciar os seus gritos.

Questionada sobre se a decisão de acusar o juiz Kavanaugh tinha motivações políticas, Blasey Ford respondeu que "não". Afirmou, no entanto, que deviam escolher outro juiz para o Supremo.

Durante o seu testemunho, Christine Blasey Ford não escondeu o nervosismo. "Estou aqui hoje não porque quero estar. Estou apavorada", afirmou.

"Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca", garantiu Kavanaugh

A audição à psicóloga terminou e durou cerca de quatro horas. Segue-se o juiz.

Brett Kavanaugh negou as acusações de Ford de forma "categórica e inequivocamente". "Isto destruiu a minha família e o meu bom nome", afirmou o juiz. "As consequências vão fazer-se sentir por décadas", considerou. Referiu que as alegações de que terá agredido sexualmente a psicóloga fazem parte de um "golpe político calculado". "Isto é um circo",acusou.

"Nunca agredi sexualmente ninguém. Nem no secundário, nem na faculdade, nunca", garantiu. "A agressão sexual é uma coisa horrível. Uma das minhas melhores amigas é uma pessoa que foi abusada e que pediu o meu conselho", disse.

Embora tenha admitido que Christine Ford possa ter sido agredida sexualmente, Kavanaugh garantiu que não foi ele. "Não é quem eu sou. Juro diante da nação e de Deus que sou inocente dessa acusação", reiterou.

O juiz nomeado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, para o Supremo Tribunal emocionou-se quando se referiu à filha, de 10 anos, durante o seu testemunho na audição. Disse não desejar "nenhum mal" à psicóloga e falou que a filha reza por Christine Ford.

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.