"Twin Peaks" regressa hoje à televisão nos EUA

Passaram 26 anos desde que a série foi emitida. daqui a uma semana chega a Portugal

A nova temporada da série de culto da década de 1990 "Twin Peaks", realizada por David Lynch, estreia-se hoje nos Estados Unidos, chegando à televisão portuguesa uma semana depois.

O primeiro episódio da primeira temporada da série, que se desenrola na cidade rural norte-americana de Twin Peaks, em torno do homicídio da jovem Laura Palmer (Sheryl Lee), foi emitido a 08 de abril de 1990 e o último, da segunda temporada, a 10 de junho de 1991. Além disso, em 1992, foi estreado o filme "Twin Peaks: Os últimos sete dias de Laura Palmer".

Sobre a nova temporada pouco se sabe. Até às 21:00 de hoje em Nova Iorque [01:00 de domingo em Lisboa], hora em começa a ser exibido o primeiro episódio, não estarão disponíveis textos de opinião sobre a série, já que a rede de canais de televisão Showtime tem mantido a nova temporada em segredo.

No entanto, é certo que, tal como o realizador, a maioria dos atores, entre os quais Sheryl Lee, Kyle MacLachlan (no papel do agente do FBI Dale Cooper, destacado para investigar o homicídio de Laura Palmer), Mädchen Amick (Shelly Johnson), Ray Wise (Leland Palmer) e Grace Zabriskie (Sarah Palmer) serão os mesmos de há 26 anos.

O compositor Angelo Badalamenti, responsável pela banda sonora, também regressa com a terceira temporada, que tem entre os convidados as atrizes Monica Bellucci, Naomi Watts e Laura Dern e os atores Tim Roth, Robert Forster e Jim Belushi.

A rodagem desta temporada, composta por 18 episódios, começou no outono de 2015 e durou oito meses.

Como em muitas coisas em Twin Peaks, cidade povoada de figuras bizarras, Laura Palmer não era o que aparentava. A 'rainha do liceu' vivia uma vida dupla de adolescente normal e de prostituta viciada em cocaína.

No início da segunda temporada descobriu-se que o assassino era o pai de Laura, Leland, que tinha abusado sexualmente da filha durante anos enquanto estava possuído por uma entidade malévola de nome Killer BOB. Depois de resolvido o mistério, as audiências baixaram abruptamente, levando a ABC a cancelar a série.

Esta temporada terá 18 episódios, que serão exibidos em Portugal no canal TV Series, estando a estreia marcada para 28 de maio às 22:00.

Entretanto, na quinta-feira, os dois primeiros episódios da nova temporada serão exibidos no Festival de Cinema de Cannes, onde há 25 anos David Lynch estreou "Twin Peaks: Os últimos sete dias de Laura Palmer".

Em 1992, dois anos depois de ter vencido a Palma de Ouro do festival com "Um coração selvagem", David Lynch decidiu regressar a Cannes para ali apresentar a prequela de "Twin Peaks", que na altura foi vaiada pela crítica.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?