Pepsi acusada de usar movimentos sociais para vender

Um anúncio protagonizado por Kendall Jenner faz lembrar cena do movimento Black Lives Matter

Kendall Jenner está em plena sessão fotográfica quando uma manifestação se atravessa no seu caminho. A fotógrafa, que estava pouco inspirada, decide registar o protesto. A modelo, por seu lado, decide juntar-se aos manifestantes. Pelo caminho, agarra numa lata de Pepsi e depois entrega-a um dos agentes da autoridade.

A cena faz lembrar outras que têm acontecido nos últimos tempos em vários protestos um pouco por todo o mundo, momentos em que um manifestante se afasta do grupo e se aproxima da autoridade num gesto de paz. Por isso, o anúncio, a marca e a modelo têm estado debaixo de fogo daqueles que acreditam que estão a usar os movimentos sociais para vender refrigerante ou a apropriar-se de uma imagem símbolo do movimento Black Lives Matter.

Essa é talvez uma das mais marcantes do género: regista o momento em que Leshia Evans, que se manifestava em Baton Rouge após a morte de Alton Sterling às mãos da polícia americana.

O facto de ser branca também tem suscitado algumas críticas.

A Pepsi apresenta o anúncio como representante "daqueles momentos em que decidimos deixar andar, escolher agir, seguir a nossa paixão", assumindo a inspiração no espírito e ações das pessoas que arriscam.

Pode ver a versão integral aqui:

Num comunicado citado pela BBC, a Pepsi refere que se trata de um anúncio global que reflete pessoas de diferentes esferas que se unem num espírito de harmonia. Achamos que é uma mensagem importante para transmitir".

Situações como as que surgem no anúncio têm-se multiplicado nos últimos meses. No Chile, em setembro do ano passado, a fotografia de uma jovem a enfrentar um agente durante uma manifestação tornou-se viral.

Em Portugal, há o caso de Adriana Xavier, jovem de Lagos que foi fotografada a abraçar um polícia numa manifestação em Lisboa, em setembro de 2012.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG