"Love Actually" vai ter uma sequela e Lúcia Moniz vai voltar a ser Aurélia

Lúcia Moniz, Colin Firth, Hugh Grant, Keira Knightley e Andrew Lincoln são alguns dos atores que regressam para esta curta-metragem

Catorze anos depois da estreia do filme O Amor Acontece (Love Actually), o realizador Richard Curtis achou que era tempo de ver o que se passa na vida das muitas personagens que apresentou ao mundo, numa pequena sequela que vai contar com a "Aurélia" de Lúcia Moniz. A curta-metragem é por uma boa causa, já que vai servir para recolher fundos para a Comic Relief, uma instituição de solidariedade fundada por Curtis.

A atriz portuguesa vai voltar a dar vida à personagem que a tornou famosa internacionalmente e vai voltar a contracenar com Colin Firth, que entretanto até ganhou um Óscar. "Vou participar com muito gosto por variadíssimas razões. Em primeiro lugar porque fiquei sensibilizada com o objetivo, admiro muito o trabalho que a organização faz", explica.

Lúcia Moniz foi convidada pelo autor e realizador, que teve "esta ideia de ver como vivem estas personagens em 2017", e admite que há muitos bónus: "Obviamente que aceitei também porque vou voltar a estar com o resto do elenco, a começar pelo Colin Firth."

Hugh Grant, Keira Knightley, Bill Nighy, Liam Neeson, Andrew Lincoln, Thomas Brodie-Sangster e Rowan Atkinson são alguns dos outros atores do filme original que vão voltar para a sequela. A curta chama-se Red Nose Day Actually e tem estreia marcada na BBC a 24 de março, data em que se comemora o Dia do Nariz Vermelho em Inglaterra.

"Nunca sonharia em fazer uma sequela para O Amor Acontece, mas pensei que seria divertido fazer 10 minutos para ver o que se passa nas vidas deles", disse o realizador. "Será certamente um momento nostálgico", concluiu, citado pela Variety.

A atriz portuguesa lembra como o "tempo voou" desde que filmou O Amor Acontece, há 14 anos, e diz que ainda fala da experiência com um sorriso. "Traz boas recordações, fui extremamente bem recebida, a começar pelo super super colega Colin Firth, e hoje atrevo-me a dizer que somos amigos". A atriz prepara-se agora para viajar até Londres, para as filmagens.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.