Tweets de Obama na lista dos mais partilhados. Trump ficou de fora

Donald Trump tem usado o Twitter como uma peça central da sua presidência, mas até nesta rede social o seu antecessor lhe faz sombra

Na lista dos 10 tweets mais partilhados podemos encontrar política, pedidos de ajuda para as vítimas do furacão em Houston e até um apelo sobre... nuggets de frango. O ex-Presidente norte-americano tem três tweets no Top 10. Trump não tem um único tweet na lista.

A foto de Obama junto a uma janela onde se debruçam várias crianças, de diferentes raças, com a frase de Nelson Mandela : "Ninguém nasce a odiar uma pessoa por causa do seu tom de pele, passado ou religião", tweetada a 12 de agosto, o dia de violentos protestos racistas na Virgínia, foi o segundo tweet mais partilhado durante este ano.

No mesmo dia, Donald Trump usou a rede para dizer que "os vários lados" eram responsáveis pelo ódio e violência, um Tweet que gerou bastante polémica. O "desabafo" não chegou à lista dos dez tweets mais partilhados.

O segundo tweet de Obama que entrou para o top deste ano foi partilhado uma semana antes de cessar o seu mandato na Casa Branca. Barack pedia aos norte-americanos que continuassem a acreditar "na mudança".

Barack Obama entra pela terceira vez para a lista com um tweet partilhado um dia depois da tomada de posse de Trump. Confessava que ter sido Presidente dos norte-americanos tinha sido a maior honra da sua vida.

O tweet mais partilhado de 2017 pertence, contudo, a um desconhecido. Carter Wilkerson, um rapaz de 17 anos, perguntou a uma jovem chamada Wendy quantas partilhas precisaria de ter o seu tweet para ter direito a um ano de nuggets de frango gratuitos. Wendy atirou-lhe um número: 18 milhões. Carter não os alcançou, mas conseguiu ficar em primeiro lugar na lista.

Veja aqui a lista completa:

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.