SIC diz ter direitos de "Sal" "salvaguardados". Unas não tem tanta certeza

Estação desvaloriza críticas de Rui Unas sobre a falta de aviso da disponibilização da série no Netflix

"A SIC tem os direitos salvaguardados de todos os conteúdos que são negociados", afirmou fonte oficial da estação ao DN, respondendo às críticas que Rui Unas fez no blogue do seu podcast, Maluco Beleza, acerca da disponibilização, pela SIC, da série Sal, que protagonizou com João Manzarra, Salvador Martinha e César Mourão, na plataforma Netflix.

"Não quero fazer declarações neste momento. Mas quando nenhum documento foi assinado por nenhum de nós é legitimo que se levantem algumas questões", afirmou Rui Unas à nossa publicação, depois das críticas iniciais que fez no referido blogue. "Apareceu assim, sem grande alarido, a primeira série made in Portugal no "cardápio" da Netflix Portugal", escreveu no blogue Rui Unas.

O ator afirma que "algo foi feito sem honestidade e dentro da legalidade uma vez que ninguém dos argumentistas, elenco e da coprodutora Lobby foi informada nem pedida a devida autorização". Contactado pelo nosso jornal, um representante do serviço de streaming frisou que este "só transmite programas dos quais tenha adquirido os direitos de transmissão para Portugal".

O DN apurou ainda que além da série Sal, das novelas Rosa Fogo e Lua Vermelha e do telefilme Amo-te Teresa já disponíveis na plataforma de streaming, outros conteúdos farão parte do catálogo nos próximos tempos, entre eles mais séries, novelas e documentários desportivos e de informação do canal de Carnaxide.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".