Séries para todos os gostos em todas as plataformas

No próximo ano, haverá novas temporadas de séries de sucesso e algumas estreias aguardas, como "Mosaic" de Steven Soderbergh (TV Séries), ou "1986", de Nuno Markl (na RTP).

Este foi o ano de The Crown e do tão aguardado regresso de Twin Peaks, de David Lynch. Foi ano da confirmação de Stranger Things e de pôr os fãs agarrados à televisão à espera de mais uma temporada de The Walking Dead e de Game of Thrones. Este foi um ano em que demos mais um passo que nos distancia das programações generalistas e nos transporta para plataformas de streaming, a que até os canais tradicionais recorrem. Vemos menos televisão na televisão. Vemos cada vez mais televisão no computador, nos tablets, nos telefones. E é assim que vamos continuar a fazê-lo em 2018.

Comecemos pelas novidades.

9-1-1, que chega à Fox Life a 8 janeiro, é uma das estreias que abrem o ano. Protagonizada por Angela Basset, Peter Krause e Connie Briton, 9-1-1 é a nova produção de Ryan Murphy (o também argumentista de êxitos como Nip/Tuck, Glee e American Horror Story, por exemplo). A série explora as experiências de alta tensão da polícia, dos paramédicos e dos bombeiros que, diariamente, são confrontados com as situações mais difíceis e ainda têm de conseguir equilibrar os dramas no trabalho com as suas vidas pessoais. Uma espécie de E.R. - Serviço de Urgência em grande escala, agora nas ruas e com mais profissionais envolvidas.

Por falar em Ryan Murphy, ele é também o produtor de American Crime Story, que vai voltar ao canal FOX Life já a 16 de janeiro. Depois de uma primeira temporada focada no caso de O.J. Simpson, a segunda temporada de American Crime Story conta a história do assassinato do estilista Gianni Versace cometido pelo serial killer Andrew Cunanan, com base no livro de Maureen Orth, Vulgar Favors: Andrew Cunanan, Gianni Versace, and the Larges t Failed Manhunt in US History. Esta temporada irá mostrar tudo o que envolveu a morte do estilista que foi assassinado com um tiro à entrada da sua casa em Miami no ano de 1997. No elenco estão presentes Penélope Cruz (no papel de Donatella Versace), além de Darren Criss (como Andrew Cunanan, o assassino), Édgar Ramírez (como Gianni Versace), Ricky Martin (como Antonio D"Amico, o parceiro de Versace), e Max Greenfield (como Santo Versace). American Crime Story já ganhou vários prémios, incluindo dois Globos de Ouro, e tem tudo para continuar a ser uma das mais faladas séries do ano.

Uma das estreias mais aguardadas é Mosaic, uma série interativa com assinatura do realizador Steve Soderbergh e a participação da atriz Sharon Stone no papel de Olivia Lake, uma escritora e ilustradora de histórias para crianças que decide mudar numa pequena cidade no Utah. Nas vésperas de Ano Novo Olivia é encontrada assassinada e Mosaic segue a história do crime, a investigação e o processo legar que se seguiu. A estreia da série de seis episódios produzida pela HBO está marcada para 22 de janeiro no canal TV Séries mas neste momento quem estiver nos EUA já pode descarregar a aplicação e participar na versão interativa, escolhendo qual a personagem que quer seguir e tendo acesso a material extra.

Na Netflix, estreia a 2 de fevereiro Altered Carbon, série de ficção científica criada por Laeta Kalogridis a partir do livro com o mesmo nome de Richard K. Morgan. A ação passa-se no futuro, no século XXV: a sociedade foi transformada por uma nova tecnologia que permite digitalizar a consciência, as mentes humanas podem ser transferidas de um corpo para outro e a morte já não é um estado permanente. Takeshi Kovacs é o único sobrevivente de um antigo grupo de guerreiros que foram derrotados numa revolta.

Na RTP, que continua a sua aposta na ficção nacional, estreia já no dia 3 de janeiro a série Excursões Air Lino, com Rui Unas e Dânia Neto nos papéis de Lino e Anita, a conduzirem um autocarro de excursões baratas, ocupado sobretudo por idosos, pelas terras de Portugal. Esta é uma série de comédia de autoria de Mário Botequilha e Filipe Homem Fonseca, realizada por Francisco Antunes.

Muita aguardada é a estreia de 1986, que só vai acontecer em março, depois de terminar o programa Fugiram de Casa de Seus Pais, de Buno Nogueira e Miguel Esteves Cardoso. O primeiro episódio de 1986 foi apresentado este mês no Comic Con, no Porto. Está série criada por Nuno Markl, com Ana Markl, Filipe Homem Fonseca e Joana Stichini Vilela, é uma comédia dramática cuja ação se passa em 1986 com tudo o que isso implica, desde os penteados à música, passando pela ausência de telemóveis ou pela presença da campanha eleitoral paras as presidênciais que iriam opor Freitas do Amaral e Mário Soares.

Para além destas e outras novidades, é garantido que teremos novas temporadas de muitas das séries que têm feito sucesso nos vários canais. A lista é interminável, mas saibam que inclui The X Files: Ficheiros Secretos, Investigação Criminal: New Orleans, The Walking Dead, Segurança Nacional, This Is Us, Anatomia de Grey, Scandal, Jamestown, Jessica Jones, Divorce, Westworld, Sillicon Valey, Elementar ou The Affair. E quem perder algum episódio pode ser voltar atrás e carregar no play.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".