Séries para todos os gostos em todas as plataformas

No próximo ano, haverá novas temporadas de séries de sucesso e algumas estreias aguardas, como "Mosaic" de Steven Soderbergh (TV Séries), ou "1986", de Nuno Markl (na RTP).

Este foi o ano de The Crown e do tão aguardado regresso de Twin Peaks, de David Lynch. Foi ano da confirmação de Stranger Things e de pôr os fãs agarrados à televisão à espera de mais uma temporada de The Walking Dead e de Game of Thrones. Este foi um ano em que demos mais um passo que nos distancia das programações generalistas e nos transporta para plataformas de streaming, a que até os canais tradicionais recorrem. Vemos menos televisão na televisão. Vemos cada vez mais televisão no computador, nos tablets, nos telefones. E é assim que vamos continuar a fazê-lo em 2018.

Comecemos pelas novidades.

9-1-1, que chega à Fox Life a 8 janeiro, é uma das estreias que abrem o ano. Protagonizada por Angela Basset, Peter Krause e Connie Briton, 9-1-1 é a nova produção de Ryan Murphy (o também argumentista de êxitos como Nip/Tuck, Glee e American Horror Story, por exemplo). A série explora as experiências de alta tensão da polícia, dos paramédicos e dos bombeiros que, diariamente, são confrontados com as situações mais difíceis e ainda têm de conseguir equilibrar os dramas no trabalho com as suas vidas pessoais. Uma espécie de E.R. - Serviço de Urgência em grande escala, agora nas ruas e com mais profissionais envolvidas.

Por falar em Ryan Murphy, ele é também o produtor de American Crime Story, que vai voltar ao canal FOX Life já a 16 de janeiro. Depois de uma primeira temporada focada no caso de O.J. Simpson, a segunda temporada de American Crime Story conta a história do assassinato do estilista Gianni Versace cometido pelo serial killer Andrew Cunanan, com base no livro de Maureen Orth, Vulgar Favors: Andrew Cunanan, Gianni Versace, and the Larges t Failed Manhunt in US History. Esta temporada irá mostrar tudo o que envolveu a morte do estilista que foi assassinado com um tiro à entrada da sua casa em Miami no ano de 1997. No elenco estão presentes Penélope Cruz (no papel de Donatella Versace), além de Darren Criss (como Andrew Cunanan, o assassino), Édgar Ramírez (como Gianni Versace), Ricky Martin (como Antonio D"Amico, o parceiro de Versace), e Max Greenfield (como Santo Versace). American Crime Story já ganhou vários prémios, incluindo dois Globos de Ouro, e tem tudo para continuar a ser uma das mais faladas séries do ano.

Uma das estreias mais aguardadas é Mosaic, uma série interativa com assinatura do realizador Steve Soderbergh e a participação da atriz Sharon Stone no papel de Olivia Lake, uma escritora e ilustradora de histórias para crianças que decide mudar numa pequena cidade no Utah. Nas vésperas de Ano Novo Olivia é encontrada assassinada e Mosaic segue a história do crime, a investigação e o processo legar que se seguiu. A estreia da série de seis episódios produzida pela HBO está marcada para 22 de janeiro no canal TV Séries mas neste momento quem estiver nos EUA já pode descarregar a aplicação e participar na versão interativa, escolhendo qual a personagem que quer seguir e tendo acesso a material extra.

Na Netflix, estreia a 2 de fevereiro Altered Carbon, série de ficção científica criada por Laeta Kalogridis a partir do livro com o mesmo nome de Richard K. Morgan. A ação passa-se no futuro, no século XXV: a sociedade foi transformada por uma nova tecnologia que permite digitalizar a consciência, as mentes humanas podem ser transferidas de um corpo para outro e a morte já não é um estado permanente. Takeshi Kovacs é o único sobrevivente de um antigo grupo de guerreiros que foram derrotados numa revolta.

Na RTP, que continua a sua aposta na ficção nacional, estreia já no dia 3 de janeiro a série Excursões Air Lino, com Rui Unas e Dânia Neto nos papéis de Lino e Anita, a conduzirem um autocarro de excursões baratas, ocupado sobretudo por idosos, pelas terras de Portugal. Esta é uma série de comédia de autoria de Mário Botequilha e Filipe Homem Fonseca, realizada por Francisco Antunes.

Muita aguardada é a estreia de 1986, que só vai acontecer em março, depois de terminar o programa Fugiram de Casa de Seus Pais, de Buno Nogueira e Miguel Esteves Cardoso. O primeiro episódio de 1986 foi apresentado este mês no Comic Con, no Porto. Está série criada por Nuno Markl, com Ana Markl, Filipe Homem Fonseca e Joana Stichini Vilela, é uma comédia dramática cuja ação se passa em 1986 com tudo o que isso implica, desde os penteados à música, passando pela ausência de telemóveis ou pela presença da campanha eleitoral paras as presidênciais que iriam opor Freitas do Amaral e Mário Soares.

Para além destas e outras novidades, é garantido que teremos novas temporadas de muitas das séries que têm feito sucesso nos vários canais. A lista é interminável, mas saibam que inclui The X Files: Ficheiros Secretos, Investigação Criminal: New Orleans, The Walking Dead, Segurança Nacional, This Is Us, Anatomia de Grey, Scandal, Jamestown, Jessica Jones, Divorce, Westworld, Sillicon Valey, Elementar ou The Affair. E quem perder algum episódio pode ser voltar atrás e carregar no play.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.