'Supernanny': "Não existe intervenção psicológica com exposição mediática"

Presidente da Comissão de Ética da Ordem dos Psicólogos Portugueses diz que "a exposição pública não faz bem às pessoas"

A Ordem dos Psicólogos deu um parecer negativo, em março de 2016, a um pedido da produtora do programa 'Supernanny', por considerar que "a intervenção psicológica não deve ser associada a programas onde se exponham publicamente casos particulares".

No parecer de cinco páginas "sobre a alegada prática da psicologia nos media", a Comissão de Ética da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) afirma que "o espaço público mediático não pode ser considerado como um 'setting' adequado para a intervenção psicológica".

O documento de cinco páginas, assinado pelo presidente da Comissão de Ética da OPP, Miguel Ricou, sublinha ainda que "qualquer profissional de psicologia que intervenha neste contexto deve explicitar que não está a levar a cabo qualquer tipo de intervenção psicológica".

Contactado pela agência Lusa, Miguel Ricou afirmou que "não há nenhum modelo de intervenção psicológica que diga que a exposição mediática faz bem às pessoas, pelo contrário".

O que o preocupa em programas como o 'Supernanny, que a SIC começou a emitir no domingo e em que uma psicóloga clínica se desloca a casa de uma família para ajudar os pais a controlar a rebeldia dos filhos, é que possa ser confundido com intervenção psicológica.

Por outro lado, o caso suscita igualmente preocupação por "expor mediaticamente situações que não auguram coisas positivas para as crianças", frisou.

"Se nós sabemos que pode haver processos para as crianças em que poderão ser mais estigmatizadas em função destas participações - e não antecipamos que isso seja positivo - fazê-las passar por isso do ponto de vista profissional não faz nenhum sentido", defendeu.

Para Miguel Ricou, "não existe intervenção psicológica com exposição mediática".

"A exposição pública não faz bem às pessoas e o psicólogo não expõe os seus clientes e isso para nós é que é fundamental", defendeu.

"Como é que podemos garantir que a pessoa vai dizer tudo aquilo que é importante que ela diga quando sabe que o que vai dizer vai ser ouvido mediaticamente? Isto pode condicionar claramente aquilo que é a relação entre o psicólogo e o cliente", frisou.

Por outro lado, existe a questão do "próprio consentimento", disse, explicando que normalmente as pessoas estão vulneráveis, a precisar de ajuda, e mais facilmente aceitam participar num modelo com exposição mediática.

"Inevitavelmente este consentimento é obtido de uma forma um pouco difícil de garantir que é isso que a pessoa quer", vincou Miguel Ricou.

A Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ) considerou hoje "existir um elevado risco" de o programa da SIC 'Supernanny' "violar os direitos das crianças", nomeadamente o direito à reserva da vida privada.

"Numa primeira análise efetuada ao conteúdo do programa", a comissão considera existir um "elevado risco" de este "violar os direitos das crianças, designadamente o direito à sua imagem, à reserva da sua vida privada e à sua intimidade".

A Lusa contactou a SIC, mas ainda não obteve resposta.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.