O atentado contra Salazar em 1937

Uma bomba colocada pelos anarquistas e detonada à distância falhou o carro de Salazar, que acabara de estacionar na avenida Barbosa du Bocage,para assistir à missa na capela particular de um amigo

O Buick oficial de António de Oliveira Salazar parara na Avenida Barbosa du Bocage, junto ao palacete do amigo Josué Trocado, onde o governante ia assistir à missa de domingo na capela particular. De repente, um estrondo veio perturbar a manhã daquele 4 de julho de 1937. Uma bomba colocada no coletor que passava perto explodia, lançando terras e pedras pelos ares. O fato escuro do chefe do governo, como descreve o DN do dia seguinte, "estava coberto de poeira, mas no rosto sereno nem um músculo se movera em contração de espanto ou temor". O grupo anarquista, que tanto tinha planeado o atentado ao ditador, falhara. Décadas mais tarde, já depois do 25 de Abril, um deles, Emídio Santana, lamentava numa entrevista que o atentado bombista tivesse fracassado. Admitia que Salazar era "um homem que percebia de Finanças, mas que tinha uma ideia muito restrita da sociedade. Tinha a ideia de que a sociedade era uma família pobre que se governava com os seus próprios meios e não deveria ter muitas ambições". A história não mudou em 1937 e Salazar só morreria em julho de 1970, quatro anos antes do fim do regime a que muitos chamam salazarista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.