Morreu o jornalista António Loja Neves

Tinha 65 anos e faleceu na sequência de um enfarte, domingo passado

O jornalista, escritor e realizador de cinema António Loja Neves morreu no domingo aos 65 anos, em Lisboa, na sequência de um enfarte, disse à agência Lusa fonte familiar.

Nascido na Madeira em 1953, António Loja Neves era jornalista do semanário Expresso há mais de trinta anos, tendo trabalhado também na área do cinema, em programação, realização, em festivais ou como júri.

Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores em 2001, pelo livro "Barcos, íntimas marcas", António Loja Neves lançou recentemente, com Margarida Neves Pereira, o livro "Arménia: Povo e identidade", pela Tinta-da-China.

"No final da adolescência mudou de ilha e de arquipélago e as mornas de Cabo Verde marcaram-lhe a alma para sempre, ditando um empenhamento pela vida política e cultural dos PALOP (Países Africanos Língua Oficial Portuguesa) que o acompanharia vida fora", escreve hoje o semanário Expresso.

Em Portugal, ainda passou pelo curso de Medicina, antes de se envolver na luta anticolonial e contra a ditadura. A cinefilia falou mais alto e António Loja Neves acabou por se licenciar em realização pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

Esteve na fundação da Federação Portuguesa de Cineclubes, da Apordoc - Associação Pelo Documentário e do Panorama - Festival do Documentário Português, foi coorganizador dos Encontros Internacionais de Cinema de Cabo Verde e comissariou mostras de filmes lusófonos em vários países, do Brasil a Moçambique.

António Loja Neves foi ainda diretor da revista Cinearma, passou pela Cinema Português e pelo semanário África.

Realizou os documentários "Ínsula" (1993) e "O silêncio" (1999), este com José Alves Pereira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.