Morreu o jornalista António Loja Neves

Tinha 65 anos e faleceu na sequência de um enfarte, domingo passado

O jornalista, escritor e realizador de cinema António Loja Neves morreu no domingo aos 65 anos, em Lisboa, na sequência de um enfarte, disse à agência Lusa fonte familiar.

Nascido na Madeira em 1953, António Loja Neves era jornalista do semanário Expresso há mais de trinta anos, tendo trabalhado também na área do cinema, em programação, realização, em festivais ou como júri.

Prémio Revelação de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores em 2001, pelo livro "Barcos, íntimas marcas", António Loja Neves lançou recentemente, com Margarida Neves Pereira, o livro "Arménia: Povo e identidade", pela Tinta-da-China.

"No final da adolescência mudou de ilha e de arquipélago e as mornas de Cabo Verde marcaram-lhe a alma para sempre, ditando um empenhamento pela vida política e cultural dos PALOP (Países Africanos Língua Oficial Portuguesa) que o acompanharia vida fora", escreve hoje o semanário Expresso.

Em Portugal, ainda passou pelo curso de Medicina, antes de se envolver na luta anticolonial e contra a ditadura. A cinefilia falou mais alto e António Loja Neves acabou por se licenciar em realização pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

Esteve na fundação da Federação Portuguesa de Cineclubes, da Apordoc - Associação Pelo Documentário e do Panorama - Festival do Documentário Português, foi coorganizador dos Encontros Internacionais de Cinema de Cabo Verde e comissariou mostras de filmes lusófonos em vários países, do Brasil a Moçambique.

António Loja Neves foi ainda diretor da revista Cinearma, passou pela Cinema Português e pelo semanário África.

Realizou os documentários "Ínsula" (1993) e "O silêncio" (1999), este com José Alves Pereira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...