Miss Portugal 1965

Maria do Carmo Sancho ganhou a final no Teatro Monumental, mas Lídia Franco era a favorita do público. O DN falou de "Duas Miss Portugal"

Curioso título na primeira página do DN de 19 de junho de 1965: "Duas Miss Portugal - uma escolhida pelo júri, outra eleita pelo público." E a ilustrar o artigo as fotografias de Maria do Carmo Sancho, que foi a Miss oficial, e de Lídia Franco, que depois se distinguiria pela carreira como atriz. O concurso teve um primeiro desfile no Casino Estoril, mas a final foi no Teatro Monumental, em Lisboa, no Saldanha, num local onde hoje existe um centro comercial. Conta o jornal que no momento de colocação da coroa na vencedora a assistência se dividiu entre aplausos e apupos. O público estava na sua maioria ao lado de Lídia Franco, prejudicada na preferência do júri por ser a mais baixa das seis finalistas. No final, Maria do Carmo Sancho foi "raptada" pelo repórter do DN e trazida a visitar o nosso jornal, não muito longe, na Avenida da Liberdade. Depois partiu para o Brasil, para assistir à eleição da Miss daquele país. A etapa seguinte foram os Estados Unidos, com Miami a acolher o Miss Universo. Meio século passado, numa reportagem no DN com antigas misses, Maria do Carmo Sancho contou sobre a noite mágica em que foi considerada a mais bela de Portugal: "Fiquei muito emocionada e tinha uma lágrima quase a cair. Lembro-me de que houve um fotógrafo que me disse: "Não chores, sorri!" E eu sorri."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.