"Mínimos" já têm data de chegada à TV portuguesa

A animação tem estreia marcada no TVCine 1 a 24 de abril. A versão portuguesa chega às 12.15 e a original às 21.30.

Os Mínimos nasceram para servir vilões. Mas a sua incontrolável falta de jeito acaba sempre por contribuir para o extermínio dos seus mestres. Estas inocentes criaturas amarelas voltaram a juntar-se em 2015 num novo filme, êxito de bilheteiras, que chega à televisão portuguesa a 24 de abril, através do TVCine 1.

Desta vez, depois de já terem feito desaparecer figuras como o Conde Drácula, o Tiranossauro Rex ou Napoleão, os Mínimos andam à procura de um novo vilão para idolatrarem. Para isso, os enviados especiais Kevin, Stuart e Bob deslocam-se até à Villain Con, a maior feira mundial de vilões, onde acabam por conhecer Scarlet Overkill, que ambiciona tornar-se a primeira super-vilã da história.

A versão portuguesa do filme, que é emitida às 12.15, conta com as vozes de Soraia Chaves, César Mourão, Herman José, Marco Delgado, Vasco Palmeirim, Vanda Miranda, Nicolau Breyner, entre outros.

Já a versão original, em inglês, que se estreia no mesmo dia às 21.30, reúne nomes como Sandra Bullock, Jon Hamm, Michael Keaton, Steve Carell ou Geoffrey Rush.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.