Lisboa vai aplicar até 5 milhões de euros no Festival da Eurovisão

A Câmara de Lisboa vai aplicar "até cinco milhões de euros" no Festival Eurovisão da Canção, que decorrerá na capital em maio, com o vereador das Finanças a apontar que este é um evento com "enormes expectativas de retorno".

Esta informação foi transmitida por João Paulo Saraiva durante a apresentação do orçamento para o próximo ano, que decorreu hoje no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

Segundo o responsável "o orçamento prevê que, no máximo, o município possa, através da Taxa Turística, investir até cinco milhões de euros em toda a dinâmica associada à Eurovisão".

O orçamento do município para 2018 é de 833,4 milhões de euros.

Durante a apresentação, e após ter sido questionado pelos jornalistas, João Paulo Saraiva destacou que este "é o evento mais mediático transmitido em televisão e visto por mais pessoas".

Desta forma, "toda a cidade ligada ao setor do turismo considera que este será um investimento com enormes expectativas de retorno", elencou.

Na sua opinião, o festival "vai projetar o nome de Portugal e de Lisboa de forma muito, muito expressiva por todo o globo".

"Parece-nos a todos que estamos envolvidos na gerência da taxa que será um enorme investimento, com um enorme potencial", salientou o vereador.

Já em finais de julho, numa conferência de imprensa da entidade organizadora - Eurovisão e RTP -, que decorreu em Lisboa, o presidente da Câmara, Fernando Medina, anunciou que o investimento camarário seria proveniente, "na totalidade", do Fundo de Desenvolvimento Turístico, que é constituído pela taxa que os turistas pagam.

O Festival Eurovisão da Canção do próximo ano realiza-se em Lisboa, no Parque das Nações. As eliminatórias terão lugar a 08 e 10 de maio, com a final a decorrer no dia 12 de maio. A RTP realiza pela primeira vez a iniciativa na sequência da vitória, este ano, em Kiev, de Salvador Sobral, com a canção "Amar pelos dois".

À 63.ª edição do festival concorrem 41 países europeus, incluindo Portugal e a Austrália.

Em Lisboa são esperados mais de 2.000 profissionais relacionados com o festival e 1.500 jornalistas, além de 30.000 fãs e visitantes.

O festival realiza-se desde 1956 e Portugal concorre desde 1964, quando apresentou em Copenhaga a canção "Oração", defendida por António Calvário.

No orçamento para o próximo ano, ao qual a agência Lusa teve acesso, a receita proveniente da Taxa Municipal Turística é estimada em 14,5 milhões de euros.

Aprovada em 2014, a Taxa Municipal Turística começou a ser aplicada em janeiro de 2016 sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras e de alojamento local, sendo cobrado um euro por noite até um máximo de sete euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)