Motorpress fecha e deixa quase 60 trabalhadores no desemprego

Fonte adiante que está "um salário em atraso para todos os trabalhadores"

O grupo de revistas Motorpress Lisboa, que detém seis publicações regulares, incluindo a Autohoje e a Pais&Filhos, fechou esta sexta-feira e os quase 60 trabalhadores ficaram no desemprego.

Um trabalhador do grupo, que pediu para não ser identificado, confirmou hoje à Lusa que "os administradores da insolvência decidiram, no final da semana passada, dispensar a maior parte dos trabalhadores e ficar apenas com uma pequena parte para fechar a edição da revista [Autohoje] que saiu hoje".

A mesma fonte disse que "toda a força de trabalho da empresa está no desemprego", indicando que em causa estão "58 pessoas, das quais 22 são jornalistas" e os restantes estavam nos departamentos de paginação gráfica, publicidade, informática, multimédia e administrativo.

Questionado sobre se ficaram salários por pagar na Motorpress, que entrou em processo de liquidação em setembro, este trabalhador adiantou que está "um salário em atraso para todos os trabalhadores" e que também "não foram pagas quaisquer indemnizações".

A edição de hoje da revista Autohoje foi então a última edição, desconhecendo-se o que vai acontecer ao título, tendo este funcionário adiantado que, "para já, não há indicação de que seja comprado por alguém".

Quanto às outras revistas do grupo, nomeadamente a Pais&Filhos e a Motociclismo, "os últimos números saíram no final do mês passado" e o último dia de trabalhado dos funcionários alocados a estas publicações foi "na sexta-feira da semana passada", segundo o mesmo trabalhador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.