Fortnite? Floss? Por que andam 125 milhões de pessoas "loucas" com este jogo?

125 milhões de pessoas em todo mundo jogam "Fortnite". No próximo ano haverá um campeonato do mundo.

Já viu miúdos no meio da rua a dançar balançando os dois braços de um lado para o outro cada vez mais depressa? Só estranha quem não joga Fortnite. Essa dança chama-se "floss" e é uma das danças realizadas pelas personagens do videojogo Fortnite que é, neste momento, o jogo mais popular em todo o mundo.

Fortnite é o o jogo do momento. Foi lançado em julho do ano passado e estava até agora disponível para PC, Xbox, Playstation 4 e dispositivos iOS. Na passada quarta-feira, a Epic Games, criadora do jogo, anunciou a chegada do Fortnite também à Nintendo Switch.

A Nintendo revelou que mais de 2 milhões de utilizadores fizeram o downolad do Fortnite em menos de 24 horas. "Pelo que vamos acompanhando das comunidades de fãs portuguesas, o jogo teve um impacto muito grande com dezenas de utilizadores a revelarem que já descarregaram o jogo para a sua consola e já o estão a jogar", afirmou ao DN Jorge Vieira, product manager da Nintendo Portugal, que, no entanto, não sabe dizer quantos desses jogadores estarão em Portugal.

Em janeiro, a Epic Games dizia que o Fortnite contava com mais 40 milhões de jogadores em todo o mundo e já tinha ultrapassado os 2 milhões de jogadores em simultâneo. Mas esse número aumentou de forma brutal nos últimos meses. Atualmente há, no total, 125 milhões de utilizadores registados no Fortnite - um número recorde para um jogo que existe no mercado há menos de um ano. 40 milhões de utilizadores jogam pelo menos uma vez por mês.

Assim que percebeu que este jogo estava a dominar as atenções dos jovens, a Epic Games deixou de lado outros projetos, centrando os seus esforços no desenvolvimento do Fortnite em todas as suas dimensões. Esta semana, para além da chegada à Nintendo, anunciou a criação de uma competição mundial que, depois de uma fase de qualificações já no segundo semestre deste ano, culminará com um Campeonato do Mundo de Fortnite no final de 2019. Para os vencedores haverá 100 milhões de dólares (aproximadamente 85,93 milhões de euros) para distribuir em prémios nos vários escalões. A Epic Games deixou claro que não vai vender lugares nesta competição para nenhuma equipa, só se chegará à final por mérito.

O que é o Fortnite?

O Fortnite é um videojogo em que cada jogador começa por escolher uma personagem. Esse avatar é lançado de paraquedas numa ilha e tem de procurar armas e outros equipamentos, com o objetivo de matar todos os outros jogadores ao mesmo tempo que tem de sobreviver aos ataques dos inimigos. A área de jogo vai-se alterando, ficando cada vez mais pequena à medida que os jogadores vão morrendo. Assim, é impossível evitar os confrontos. Os jogadores podem construir fortificações e alterar ou destruir tudo o que encontrarem.

O Fortnite possui dois modos de jogo: o Battle Royale (gratuito), onde 100 competidores entram num mapa e são obrigados a enfrentar-se intensamente, já que uma tempestade vai tomando conta da região; e o Save the World (ainda pago),onde o planeta está controlado por uma tempestade e várias criaturas zombies.

A maioria dos jogadores joga no modo Battle Royale, ou seja, lutando contra 99 outros jogadores. No final, só há um sobrevivente. Um jogo destes demora, em média, 20 minutos. Apesar de se poder jogar sozinho, os adolescentes preferem jogar em grupos, com amigos, que se podem organizar para lutar juntos ou formar equipas adversárias.

Apesar de Fortnite estar classificado para maiores de 12 anos, o jogo tornou-se popular entre miúdos bastante mais novos. E mesmo os que não jogam podem ver no Youtube os vídeos de outros jogadores - o facto de os youtubers jogarem Fortnite foi decididamente um importante fator de divulgação. Também o Twitch - plataforma de streaming - deu um enorme impulso à comunidade de jogadores. Celebridades como Chance the Rapper, o cantor Joe Jonas, o ator Finn Wolfhard (de Stranger Things), a comediante Roseanne Barr e o rapper Drake também se renderam ao jogo.

No fim de semana passado, foi notícia o facto de, na Inglaterra, uma rapariga de nove anos ter sido internada num programa de desintoxicação por estar viciada no jogo. A rapariga ficou a jogar durante 10 horas seguidas - sem sequer parar para ir à casa de banho e ainda no bateu no pai quando este tentou tirar-lhe a consola Xbox.

Este é um jogo que tem tudo para ser tornar viciante. E as razões são fáceis de entender:

- É um jogo de equipa. Os jogadores não querem ficar mal vistos entre o seu grupo de amigos e também na comunidade de jogadores online.

- Apela ao instinto de sobrevivência. Os jogadores fazem tudo para sobreviver. E quando se está verdadeiramente embrenhado no jogo é difícil distinguir entre a luta pela sobrevivência do avatar e a nossa própria luta pela sobrevivência. Os jogos deste género fazem subir os níveis de adrenalina no corpo, o batimento cardíaco aumenta e os níveis de stress no organismo são semelhantes a uma situação de ataque na vida real.

- Cada jogo é diferente. Não há maneira de saber o que vai acontecer. De cada vez que se joga descobre-se um caminho novo, um refúgio, um lugar para explorar. E os adversários também são sempre diferentes.

- Além da alegria da vitória existem outras recompensas: os vencedores têm acesso a "skins" (aparência) especiais, armas melhores ou bónus nos pontos. Isto permite criar um distanciamento ainda maior entre os melhores jogadores e os piores.

- O jogo é gratuito - mas existe a possibilidade comprar armas e outros atributos diferenciados para as personagens.

E a dança?

Na verdade, o "floss" não nasceu no Fortnite. O movimento foi inventado por Russel Horning, um youtuber de 15 anos conhecido como The Backpack Kid. Depois, o "miúdo da mochila" foi convidado especial de Katy Perry quando ela foi cantar o Swish Swish no Saturday Night Live.

Mas a moda só pegou verdadeiramente em todo o mundo - até em Portugal - quando chegou ao Fortnite. Os jogadores podem escolher o tipo de dança que querem que a sua personagem faça. Há movimentos mais ligados ao breakdance, outros parecem ter origens tribais. Pode ser o "Gangman Style" ou um movimento que tenha surgido numa série de televisão. A dança é o modo como as personagens festejam as suas vitórias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.