Facebook tem novas opções de privacidade

As novas definições, que vão estar disponíveis nas próximas semanas, surgem após o escândalo da Cambridge Analytica e vão permitir aos utilizadores um maior controlo sobre privacidade

O Facebook anunciou hoje novas mudanças nas definições de privacidade. O objetivo é torná-las mais simples para os utilizadores de modo a que possam controlar melhor o que revelam na rede social.

Estas novas configurações foram anunciadas, depois do escândalo que envolve a Cambridge Analytica, empresa que usou, de forma indevida, dados de 50 milhões de utilizadores da rede social, fundada por Mark Zuckerberg.

"O Facebook percebeu claramente que as definições de privacidade e outras ferramentas importantes são difíceis de encontrar", explica a empresa. A gigante tecnológica admite que as novas configurações surgem devido à polémica. "Estas mudanças estão a ser trabalhadas há algum tempo, mas os acontecimentos dos últimos dias aumentaram a sua importância", refere Erin Egan, vice-presidente e diretor de privacidade e política da empresa.

Definições mais fáceis de encontrar

"Redesenhamos todas as nossas definições em dispositivos móveis para tornar as coisas mais fáceis de encontrar. Em vez de ter 20 definições espalhadas por 20 janelas, elas estão agora acessíveis num único lugar. Também eliminamos as configurações desatualizadas para que fique claro quais as informações que podem e não podem ser partilhadas com aplicações", explica o responsável da empresa sediada na Califórnia.

O Facebook deu um exemplo do que vai mudar ao usar uma imagem com as atuais definições e as que vão ser introduzidas nas próximas semanas:

Novo menu de atalhos

Com este novo menu, os utilizadores podem controlar a informação em apenas alguns passos, com explicações mais claras sobre como as configurações funcionam. Com esta mudança, tudo se torna mais fácil de encontrar, garante Erin Egan.

No novo menu, o utilizador pode ativar mais ferramentas de proteção. Caso esta opção esteja ativa e se alguém aceder à conta a partir de um dispositivo que a rede social não reconheça, é pedido que seja confirmada a identidade do utilizador.

É possível rever a informação partilhada e eliminá-la se quiser. E isso inclui publicações ou comentários, pedidos de amizade e assuntos que pesquisou no Facebook.

O utilizador vai conseguir gerir quem vê o que publica e a informação que incluiu no perfil.

Ferramentas para encontrar, descarregar e apagar dados

Vai ser implementada a nova ferramenta "Acesso à sua informação", que dá a possibilidade de apagar o que não quer que apareça na cronologia, aceder e gerir publicações, reações, comentários ou pesquisas efetuadas.

O utilizador vai poder fazer uma cópia segura da informação que partilhou e até fazer uma cópia para outro serviço. Isso inclui, por exemplo, fotografias, contactos e publicações na cronologia.

Compromisso

Além das medidas anunciadas, a empresa compromete-se a informar os utilizadores a forma como recolhe a informação. "Vamos propor atualizações dos termos de serviço nas próximas semanas, que incluem esse compromisso", assegura o responsável. A política de dados vai ser igualmente atualizada. "Estas atualizações visam uma maior transparência", garante o Facebook.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.