Este é o artista mais ouvido no Spotify em 2017

Somou 47 milhões de visualizações mensais

Drake deixou de ser o artista número um na plataforma de streaming de música Spotify - posição que ocupava em 2016 - para entregar o seu lugar no pódio ao músico Ed Sheeran.

Com 47 milhões de visualizações por mês, o Spotify anunciou hoje que o cantor britânico de 26 anos foi o artista mais tocado em 2017 com um total de 6.3 biliões de visualizações, seguido por Drake, The Weeknd, Kendrick Lamar e The Chainsmokers.

Ed Sheeran leva igualmente o primeiro lugar com o álbum do ano, "÷" ("Divide"), tocado 3.1 biliões de vezes, seguindo-se Drake, com o álbum "More Life", Kendrick Lamar com "DAMN.", The Weeknd com "Starboy" e Post Malone com "Stoney".

Tocada 1.4 biliões de vezes, a música "Shape of You" - do álbum "÷" - ultrapassou mais uma vez Drake, tornando-se a música mais ouvida de sempre no Spotify. Em segundo lugar, o remix da "Despacito", de Luis Fonsi e Daddy Yankee com Justin Bieber sobrepõem-se à original, que ocupa o terceiro lugar. A música "Something Just Like This" dos The Chainsmokers com os Coldplay é a quarta na lista e Justin Bieber volta a aparecer no quinto lugar, juntamente com Quavo, Chance The Rapper e Lil Wayne que colaboraram com DJ Khaled na música "I'm the One".

Rihanna mantém-se como a artista feminina mais ouvida pelo terceiro ano consecutivo. Taylor Swift, Selena Gomez, Ariana Grande e Sia seguem-se no Top pela respetiva ordem.

O Spotify revelou também que apesar do sucesso de Ed Sheeran, o género musical Hip-hop continua a ter um papel significativo na indústria, com um aumento dos ouvintes de 74%. A música latina também tem vindo a aumentar consideravelmente o número de visualizações - 110% -, graças a canções como "Despacito" e "Mi Gente".

Entre os pontos altos do músico de pop/folk este ano, é de mencionar a sua participação especial num episódio da sétima temporada da série dramática e de fantasia "A Guerra dos Tronos" - que já revelou admirar em entrevistas - em que cantou e contracenou com Maisie Williams, que interpreta Arya Stark e é fã do cantor britânico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)