Carlos Lopes campeão olímpico em 1984

Festa no aeroporto de Lisboa para receber o campeão da maratona. Foi em Los Angeles que pela primeira vez se ouviu o hino português nuns Jogos Olímpicos.

Manchete do DN a 13 de agosto de 1984: "Lopes traz para Portugal primeira medalha de ouro". Foi uma segunda edição do jornal, pois a maratona que tinha lugar a 12 em Los Angeles terminara já madrugada dentro em Portugal, com meio país a ficar acordado para ver pela televisão a corrida do mais querido dos atletas nacionais. O enviado do DN aos Jogos Olímpicos, Oscar Mascarenhas, falava "do poder de um homem só, vindo de terra minúscula", numa reportagem onde denunciava a estratégia americana de alterar a ordem das cerimónias no pódio, para que o último hino a tocar fosse o dos Estados Unidos e não o português, mesmo que a tradição olímpica privilegiasse o vencedor da maratona. Lopes, que já em Montreal em 1976 tinha sido medalha de prata, chegou a Lisboa a 15 de agosto, sendo recebido por uma multidão no aeroporto de Lisboa. Vivas também para os bronzes de António Leitão nos 5000 metros e de Rosa Mota na maratona. Aos 37 anos, Lopes vivia o seu maior momento de glória, ainda por cima com a melhor marca olímpica. Em 1985, em Roterdão, tornou-se recordista mundial da maratona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.