Analista militar sai da Fox alegando que esta é máquina de propaganda

Coronel reformado estava na estação há dez anos, mas agora diz estar envergonhado

Um analista militar da cadeia televisiva norte-americana Fox News revelou na terça-feira a sua saída da estação, porque acredita que esta se tornou numa máquina de propaganda do governo de Donald Trump.

Ralph Peters, um coronel reformado do Exército, afirmou que disse à Fox, no início do mês, que não queria o seu contrato renovado.

"Ao longo da minha década na Fox, estive muito orgulhoso da associação", escreveu Peters, em mensagem de correio eletrónico que foi distribuída internamente na Fox News, e noticiada em primeiro lugar pelo sítio noticioso BuzzFeed News.

"Agora, estou envergonhado", contrapôs.

Em comunicado, a Fox declarou que Peters tinha direito à sua opinião, "apesar do facto de ele ter escolhido usá-la como forma de obter atenção".

Peters justificou a sua decisão por entender que a Fox "degenerou, ao passar de uma muito necessária plataforma de vozes conservadoras para uma máquina de propaganda de um governo destrutivo e eticamente em ruínas".

Peters criticou ainda os apresentadores do horário nobre por "ataques profundamente desonestos" à polícia federal (FBI, na sigla em Inglês), o Departamento de Justiça, a comunidade das informações e o procurador especial Robert Mueller, que está a dirigir a investigação às relações do governo de Trump com a Federação Russa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.