'A Impostora'. Projeto ambicioso na despedida de Nicolau Breyner

O elenco da novela 'A Impostora', que se estreia este domingo, dia 4, na TVI, considera que este é um projeto especial e marcante por vários motivos, entre os quais o facto de ter sido a última novela de Nicolau Breyner

Foi um final de tarde com um misto de emoções. Por lado, a felicidade de ver um projeto concluído e prestes a estrear-se no pequeno ecrã. Por outro o facto de esse mesmo projeto ter sido o último em que Nicolau Breyner, que morreu a 14 de março, participou.

Tanto José Eduardo Moniz, diretor para a ficção da Media Capital, como Luís Cunha Velho, diretor-geral da TVI, aproveitaram para sublinhar a qualidade desta trama, assinada por António Barreira, deixando claro que "é uma novela muito bem feita, muito bem escrita" e "diferente" daquelas que a estação de Queluz de Baixo tem feito.

As atrizes Dalila Carmo e Fernanda Serrano, que a par de Diogo Infante assumem o papel de protagonistas desta novela, não esconderam que o projeto tornou-se ainda mais especial pelo facto de ter marcado a despedida de Nicolau Breyner.

Esta trama marca o regresso de Eunice Muñoz ao pequeno ecrã depois de a atriz, de 88 anos, ter estado afastada durante três anos devido a um cancro na tiroide.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.