Impresa compromete-se a "privilegiar ofertas que incluam os trabalhadores"

Os responsáveis do grupo adiantaram ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas de compra que dizem pretender agora analisar "o mais rápido possível"

O grupo Impresa comprometeu-se esta quinta-feira a "privilegiar ofertas de compra que incluam os trabalhadores" das 13 publicações que pretende vender, relativamente às quais diz já ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas, divulgou o Sindicato dos Jornalistas.

Em comunicado emitido após uma reunião com o presidente da Comissão Executiva do grupo Impresa a propósito do futuro das revistas do grupo, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) diz ter obtido destes responsáveis "o compromisso de privilegiar as ofertas de compra para as 13 publicações à venda que incluam os trabalhadores desses mesmos títulos".

"Francisco Pinto Balsemão e Francisco Pedro Balsemão reconheceram que 'a situação é preocupante' e frisaram que manter um jornalismo independente implica obter dinheiro para o financiar", revelou.

A administração da Impresa afirmou esta quinta-feira que foram efetuados contactos junto de potenciais interessados. E que no seguimento da iniciativa, a Impresa "recebeu manifestações de interesse, que serão analisadas no decurso do processo formal de negociação", pode ler-se num comunicado enviado à CMVM.

Na reunião, os responsáveis do grupo adiantaram ter recebido "cerca de uma dezena" de propostas de compra que revelaram ser "desde grupos de média a empresários individuais", e pretendem agora analisá-las "o mais rápido possível". O número de interessados foi considerado por ambos como "um indicador positivo".

A venda das publicações Visão, Visão Júnior, Visão História, Caras, Caras Decoração, Activa, Exame, Exame Informática, Telenovelas, TV Mais, Courrier Internacional, Blitz e Jornal de Letras foi justificada pela Impresa como fazendo parte de uma estratégia de "reposicionamento" do grupo.

De fora do processo estão o canal de televisão SIC e o semanário Expresso, tendo Francisco Pinto Balsemão e Francisco Pedro Balsemão garantido ao SJ que "não estão no horizonte outras operações".

A Impresa anunciou a 23 agosto a venda de todas as publicações (excluindo o Expresso) do grupo, onde trabalham mais de uma centena de pessoas, na maioria jornalistas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.