Festival da Eurovisão em Israel está em risco

Organizador do concurso publicou mensagem no Facebook para que os fãs não reservem já viagens para Israel. Politização do concurso é um dos receios

Israel venceu a Eurovisão no passado dia 12 de maio, em Lisboa. O que lhe garantiu o direito de receber a edição do próximo ano. Desde a vencedora, Netta, até ao primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, todos apontaram logo Jerusalém como a cidade anfitriã em 2019. Mas agora a União Europeia de Radiotelevisão (EBU, na sigla em inglês) veio apelar aos fãs que não comprem já os bilhetes para Israel.

Uma chamada de atenção feita no Facebook oficial da entidade organizadora do eurofestival da canção que alerta aos seguidores do concurso para esperarem por mais informação, a ser divulgada nos canais oficiais. Dando a entender que a realização do evento em 2019 pode não ser em Israel.

Segundo o jornal israelita Haaretz, a EBU tem receio da politização de que o concurso pode ser alvo, devido ao conflito israelo-palestiniano. Recorde-se que os EUA transferiram, a 14 de maio, a sua embaixada para Jerusalém, reconhecendo esta cidade como a capital de Israel. O que tem motivado uma escalada na violência entre israelitas e palestinianos.

Antes deste alerta, já os membros do governo israelita tinham levantado questões sobre a realização do concurso ao sábado (desde que há semifinais, que a competição se realiza às terças e quintas-feiras e a final ao sábado), uma vez que na religião judia este é o dia de descanso. A cerimónia está, no entanto, prevista para as 22.00, ou seja, duas horas depois do fim do Sabat. Enquanto os membros do governo pedem que a cerimónia não ponha em causa as tradições israelitas, o presidente executivo da EBU, Frank-Dieter Freiling, respondeu ao jornal Haaretz que o Sabat não deve ser uma condicionante.

Israel já acolheu a Eurovisão duas vezes - em 1979 e 1999. Da última vez já tinha havido alguma controvérsia, com os grupos ultraortodoxos a pedir para que não se realizasse em Israel, mas no Reino Unido ou Malta (os países que tinham ficado em segundo e terceiro lugar). Israel ganhou o concurso quatro vezes (1978, 1979, 1998 e 2018, mas nas primeiras vitórias não estava definido que o vencedor acolhia a edição do ano seguinte). Netta Barzilai foi a vencedora este ano com a música "Toy", cuja letra apoia o movimento feminista #MeToo.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?