ERC chumbou RTP1 nos testes de níveis sonoros

A Entidade Reguladora para a Comunicação Social divulgou os resultados da avaliação do volume sonoro. Estação pública foi a única que não cumpriu

"A ERC [Entidade Reguladora para a Comunicação Social] monitorizou a variação do volume sonoro na difusão de publicidade das emissões televisivas dos canais generalistas RTP1, SIC, TVI e CMTV, no 3º trimestre de 2016. A SIC, TVI e CMTV apresentam parâmetros adequados", lê-se no relatório divulgado esta quarta-feira pelo regulador.

No mesmo, a ERC adianta que "na RTP1, continuam a verificar-se desconformidades com o normativo, situando-se os níveis de volume sonoro acima do previsto, quer na programação, quer na publicidade". O incumprimento por parte da estação pública implica uma multa entre 20 a 150 mil euros.

A nova diretiva, em vigor desde o passado dia 1 de junho, visa acabar com o aumento do volume do som durante os intervalos das emissões dos programas. "A inserção de publicidade televisiva ou televenda não pode implicar o aumento do nível de volume sonoro aplicado à restante programação", refere a Lei da Televisão e dos Serviços Audiovisuais.

Os resultados foram conseguidos "por meio de uma amostragem aleatória sistemática", através da qual foram selecionados 13 dias. "A RTP1 apresentou níveis sonoros altos na maioria dos programas analisados (entre -25,0 LUFS e -19,1 LUFS). Um programa registou um nível sonoro baixo e cinco registaram níveis adequados. Também as autopromoções (entre -20,5 LUFS e -20,1 LUFS) e a publicidade (entre -22,5 LUFS e -20,3 LUFS) obtiveram níveis sonoros altos, a exceção da publicidade transmitida entre as 05h00 e as 07h00, da quinta-feira, 15 de setembro", lê-se no relatório da ERC.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.