E a Internet reagiu com humor à troca dos envelopes

Não seria de esperar outra coisa. Os internautas brincam com o anúncio errado do vencedor de Melhor Filme

Warren Beatty e Faye Dunaway anunciaram La La Land como Melhor Filme, mas o vencedor era Moonlight. O erro foi desfeito já produtores e atores celebravam no palco do Teatro Dolby, em Hollywood, na entrega dos Óscares este domingo à noite. Beatty acabaria por explicar que a confusão foi gerada por uma troca de envelopes: o que o ator tinha em mãos dizia "Emma Stone, Melhor Atriz Principal", o que fez a dupla anunciar aquele que era o filme com mais nomeações como vitorioso.

A falha épica fez as delícias dos internautas, que desde o final da 89ª edição dos Óscares têm enchido as redes sociais com montagens bem-humoradas.

Já a justificação pode residir na explicação dada há dias pelo funcionário da PwC (Pricewaterhousecoopers) Bran Cullinan, responsável, juntamente com Martha Ruiz, de contar os votos e entregar aos apresentadores os nomes dos vencedores instantes antes de estes entrarem em palco. "Eu tenho todos os 24 envelopes na minha mala. A Martha tem outros 24 na dela. Posicionamo-nos em lados opostos do palco durante toda a noite e cada um de nós entrega em mão os envelopes ao respetivo apresentador. Não parece complicado, mas temos de garantir que lhes damos os cartões corretos". Ou seja, há sempre dois envelopes, por categoria, com os nomes dos vencedores: Stone poderá ter guardado um, mas Warren Beatty também poderá ter recebido outro.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.