DN duplica assinaturas digitais e sobe vendas

Circulação digital paga do Diário de Notícias subiu 103% no bimestre maio/junho, por comparação com os mesmos meses do ano passado e 46% relativamente a março/abril

Há mais pessoas a comprar e a ler o Diário de Notícias, sobretudo na sua edição digital. Os números da APCT referentes aos meses de maio e junho deste ano revelam um aumento de 4,9% na circulação paga deste título do Global Media Group (GMG), relativamente ao bimestre anterior, com a circulação digital paga a disparar quer em relação a março/abril (mais 46%) quer quando se compara os números de vendas da edição digital com os meses de maio/junho de 2015: uma subida que excede os 100%. Lisboa continua a ser a região onde o DN conta com mais leitores, seguindo-se Setúbal, Porto, Faro e Leiria.

A evolução das vendas da edição digital do DN nos primeiros seis meses do ano também merece destaque: comparando o período de janeiro a junho de 2016 com os mesmos meses do ano passado, registou-se uma subida de 53% neste formato do jornal.

Os números confirmam a aposta feita há dez meses com o lançamento da nova plataforma online do DN, focada em garantir ao leitor uma nova experiência digital adaptada à forma como a informação tem vindo a evoluir. O DN online continua, assim, a colher frutos da mudança empreendida com base neste novo compromisso estabelecido com os seus leitores.

De acordo com o último relatório da APCT, os títulos do GMG (em que se incluem, além do Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, o desportivo O Jogo e a revista Volta ao Mundo) apresentam uma tendência favorável, por oposição ao mercado, que continua a ser penalizado na área do papel. Tomando por referência a evolução dos 14 meses analisados pela APCT, entre maio de 2015 e junho de 2016, a circulação total paga apresenta uma queda de 5,8%. Neste mesmo período, o DN é o único diário de informação geral que consegue crescer (+2%).

O crescimento animador, verificado em contraciclo com o mercado e com os principais concorrentes, toma forma no que respeita ao último bimestre analisado, por comparação com março/abril de 2016, no aumento das vendas do Diário de Notícias - de quase 5% -, mas também de O Jogo, a subir 5,4% em maio/junho, e do JN, a crescer 1,8% nesse mesmo período.

Já os últimos dados do Ranking Netscope da Marktest, conhecidos no início deste mesmo mês, revelavam que o grupo dono do DN atingia a liderança absoluta no digital, com o Diário de Notícias a ultrapassar, no mês de julho, o seu recorde de visitas e pageviews, chegando aos 12,9 milhões de visitas - mais 2 milhões do que no mês anterior - e aos 41,2 milhões de pageviews, e solidificando a sua presença à frente do Público (11,5 milhões de visitas) e do Expresso (11 milhões).

Os títulos do Global Media Group beneficiam ainda de um desempenho favorável nas assinaturas, que aumentaram cerca de 1%, apesar de o mercado global não estar a crescer. Tendo em conta o período homólogo, a Volta ao Mundo também cresceu nos meses antes do verão: foram mais 3,7% de vendas, com destaque para a edição online.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.