Conheça os nomeados para os Globos de Ouro da SIC

A 21.ª edição dos Globos de Ouro decorre a 15 de maio. Bárbara Guimarães volta a ser a anfitriã.

A SIC e a revista Caras anunciaram esta terça-feira à noite os nomeados para a 21.ª edição dos Globos de Ouro, que este ano se realizam a 15 de maio no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. O anúncio da lista de nomeados para as categorias de Cinema, Teatro, Música, Moda, Desporto e Revelação foi feito durante o Passadeira Vermelha, da SIC Caras.

À semelhança do que tem acontecido na última década, Bárbara Guimarães volta a apresentar a gala em direto dos Globos de Ouro, neste que é o seu regresso ao pequeno ecrã desde Peso Pesado Teen.

CINEMA

Melhor Atriz:

Beatriz Batarda no filme Yvone Kane

Crista Alfaiate no filme As Mil e Uma Noites

Luísa Cruz no filme As Mil e Uma Noites

Victoria Guerra no filme Amor Impossível

Melhor Ator:

Adriano Luz no filme As Mil e Uma Noites

David Mourato no filme Montanha

José Mata no filme Amor Impossível

Paulo Pires no filme A Uma Hora Incerta

Melhor Filme:

Amor Impossível de António Pedro Vasconcelos

As Mil e Uma Noites de Miguel Gomes

Montanha de João Salaviza

Se Eu Fosse Ladrão... Roubava de Paulo Rocha

TEATRO

Melhor Atriz:

Alexandra Lencastre em Plaza Suite

Dalila Carmo em Lúcia Afogada

Maria do Céu Guerra em Play Strindberg

Maria Rueff em António e Maria

Melhor Ator:

Carlos Paulo em Play Strindberg

João Pedro Mamede em Os Acontecimentos

Marco D'Almeida em Macbeth

Miguel Moreira em Ricardo III

Melhor Peça/Espetáculo:

Hamlet, encenação de Luís Miguel Cintra

E Morreram Felizes Para Sempre, encenação de Ana Padrão

Plaza Suite, encenação de Adriano Luz

Ricardo III, encenação de Tónan Quito

DESPORTO

Melhor Desportista Masculino:

Cristiano Ronaldo (Futebol)

Fernando Pimenta (Canoagem)

Miguel Oliveira (Motociclismo)

Nelson Évora (Atletismo)

Melhor Desportista Feminino:

Filipa Martins (Ginástica)

Francisca Laia (Canoagem)

Telma Monteiro (Judo)

Teresa Bonvalot (Surf)

Melhor Treinador:

Hélio Lucas, José Sousa (Canoagem)

João Ganso (Atletismo)

Jorge Jesus (Futebol)

Mário Narciso (Futebol de praia)

MODA

Melhor Modelo Masculino:

Fernando Cabral

Gonçalo Teixeira

João Pedro

Jonathan e Kevin Sampaio

Melhor Modelo Feminino:

Daniela Hanganu

Francisca Perez

Maria Clara

Sara Sampaio

Melhor Estilista:

Alexandra Moura

Filipe Faísca

Luís Buchinho

Nuno Baltazar

MÚSICA

Melhor Intérprete Individual:

Agir

Ana Moura

Márcia

Mariza

Melhor Grupo:

ÁTOA

D.A.M.A.

GNR

Moonspell

Melhor Música:

Dia de Folga, Ana Moura

Dizer Que Não, Dengaz

Não Faço Questão, D.A.M.A. com Gabriel, O Pensador

Tempo É Dinheiro, Agir

REVELAÇÃO DO ANO

ÁTOA (Música)

João Jesus (Representação)

Maria Clara (Moda)

Mariana Pacheco (Representação)

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...