15 anos de 'American Idol'. O fim de uma era ou o nascer de outra?

O "pai" de todos os 'talent shows' transmite esta noite a sua última gala, ao fim de quinze temporadas

Maio de 2002. Kelly Clarkson entrou na sala de audições do American Idol e deixou os jurados Simon Cowell, Paula Abdul e Randy Jackson rendidos à sua interpretação da música At Last, de Etta James. Meses depois, tornava-se a primeira vencedora do programa. Esta noite, ao fim de quinze temporadas, assinala-se o fim de uma era: o último episódio de American Idol.

A derradeira gala do "pai dos talent shows" - como muitos o descrevem - será transmitida em direto a partir de Los Angeles e, para além do anfitrião de sempre, Ryan Seacrest, do atual júri (Jennifer Lopez, Keith Urban e Harry Connick Jr.) e do top três, serão recebidos finalistas de temporadas anteriores e antigos jurados.

"Sinto sobretudo orgulho. Têm sido 15 anos fantásticos. Deixámos a nossa marca. Fizemos história. Excedemos todas as expetativas", reconhece Simon Fuller, criador do Idol, numa entrevista ao The Hollywood Reporter. O grande mérito do formato, sublinha, é ter reaproximado as famílias em frente da televisão. "A música une as pessoas. Quer tenhas cinco, 55 ou 85 anos, os gostos musicais estão mais alinhados que nunca".

O programa fez emergir talentos incontornáveis da música pop, country e rock, como Kelly Clarkson, Adam Lambert, Carrie Underwood ou Jennifer Hudson. Sendo pioneiro no mundo dos talent shows, foi também o grande impulsionador de formatos como X-Factor, The Voice ou Got Talent. Mas não só."O American Idol trouxe a música de volta à televisão. Se não surgisse o Idol, não teria existido nem o High School Musical, nem o Glee , nem o The Voice", sublinha Mary McNamara, crítica de TV do jornal Los Angeles Times.

Ryan Seacrest, que hoje é um dos nomes maiores da indústria do entretenimento nos EUA, também deve toda a sua carreira ao programa de caça-talentos. "Nem consigo comparar a minha vida de antigamente com a de agora. Quando tudo isto começou, eu estava a viver num quarto e dividia a renda com outro homem", contou à revista People. Com a subida constante das audiências, não demorou muito até que o apresentador alcançasse, ele próprio, o estatuto de estrela. Muito por conta da sua famosa frase de abertura - "This... is American Idol!". "Ele é o homem que abre e fecha o programa, que se envolveu em memoráveis disputas com Simon Cowell. A sua força é a sua ubiquidade e, a cada ano, foi-se tornando mais poderoso", destaca o The Washington Post.

Para o sucesso do formato, para além dos vários talentos e do apresentador, muito contribuíram, também, as fortes personalidades (e por vezes incompatíveis) dos jurados que por lá passaram - como Ellen DeGeneres, Steven Tyler, Nicky Minaj, ou Mariah Carey.

A combinação de todos estes fatores tornou o Idol no número um de audiências nos EUA, durante oito anos seguidos (entre 2002 e 2010): a primeira temporada, por exemplo, despediu-se perante 23 milhões de espectadores; a quinta, perante 36 milhões; e a nona, já numa tendência decrescente, perante 24 milhões. A descida do número de seguidores deveu-se, sobretudo, ao sucesso de outros talent shows, motivo pelo qual a penúltima temporada, a 14ª, terminou com apenas oito milhões de fãs sintonizados.

Fim não será definitivo
American Idol despede-se hoje do pequeno ecrã, é verdade. Mas Simon Fuller já tem planos para reformular o formato e trazê-lo de volta. "O Idol vai certamente regressar. Agora, posso começar a pensar numa nova versão. Estreámo-nos quando o mundo digital ainda estava no início. Por isso, a próxima geração do Idol será muito mais interativa, muito mais imersiva", adianta.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.